Incoerência Política

Os textos de diferentes autores publicados nesta seção não traduzem, necessariamente, a opinião do site. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

O que o prezado leitor pensaria de mim na seguinte circunstância:

Em  o1/10/2014 eu escrevesse e publicasse texto afirmando várias coisas como: não sou filiado a nenhum Partido Político, mas sou totalmente anti PT; destacasse uma série de afirmações dolosas ao PT (dessas que estamos cheios de ouvir ou ler como o porto em Cuba, com dinheiro que poderia ser usado aqui, como se desconhecesse as obras em portos, estradas, mobilidade urbana e interurbana, etc executadas pelo PT). Se afirmasse que o Governo atual rompeu com os médicos brasileiros expondo-os a uma tentativa de execração pública como se bastasse a importação de médicos cubanos para resolver o problema do SUS e outras “cositas” mais. Se Dissesse que não tenho preferência por nenhum candidato, mas tenho que dizer que não se pode votar no PT, se se quiser um Brasil melhor. A par disso, em meu FB tecesse loas ao candidato Aécio, como o salvador da pátria (e dos médicos …). Pois bom ( como diria Pantaleão )!. Hoje, 12/10/2014, passados onze dias voltasse a me manifestar, mas, dizendo coisas que não tem nada a ver com aquele em quem vou votar! Começasse por dizer que respeito os Direitos Humanos e em nome disso escrevo o que penso e acredito baseado em leituras, pensamentos e questionamentos. Aproveitasse da oportunidade para tecer alguns auto-elogios ( “não gosto de coisas mornas, ou é ou não é, não gosto de ficar em cima do muro, etc.”). Tive um grande amigo, Médico, Washington de Jorge, que dizia: “Herradura que chacolotea, clavo le falta”. E, aí, para encerrar dissesse que gostaria de viver num mundo onde  se fizesse inclusão social, não se nivelasse as pessoas por baixo e todos pudessem crescer.

Volto à questão inicial: o que o leitor pensaria de mim?

Que sou, no mínimo, incoerente político, pois não? (Quando foi que o Governo expôs os médicos brasileiros à execração pública? Não teria sido exatamente o contrário? Quem se propugna por igualdade social é o PT!) Ou então que o que leio para embasar meus conhecimentos, pensamentos e questionamentos não passa de vejas, redes globo folhas, etc.

E se o leitor, após tanta incongruência, chamasse a isso “incoerência política” teria razão. Ou não?

 

Bibliografia: Cartas dos leitores, Jornal de Piracicaba 01/10/2014.

Cartas dos leitores, Jornal de Piracicaba 12/10/2014.

 

Jairo Teixeira Mendes Abrahão – Professor Titular da ESAL-USP.

 

 

 

3 comentários

  1. Delza Maria Frare Chamma em 15/10/2014 às 08:50

    Uau!!!!!!!!!!!!! Incoerência política aliada a uma incoerência maior que se revela como grande incoerência sobre a própria vida. Não se percebe nenhum ponto lógico onde possamos nos apegar para tentar entender algo nesse emaranhado de afirmações sem coesão e com tanta contradição entre si. Sem dúvida, Jairo, se você fizesse um registro assim tão paradoxal, sem dúvida, teríamos de chamá-lo de “incoerente político”.

  2. Eloah Margoni em 17/10/2014 às 12:52

    Caro Jairo, gostei muito deste texto do Thoureau. Poderia até ser mais bem escrito, mas a ideia central é ótima (a meu ver). “Toda votação é uma espécie de jogo, como damas ou gamão, com um leve toque moral, com o qual se joga com o certo e o errado sobre questões morais; e naturalmente há apostas. O caráter dos votantes não está em jogo. Dou meu voto, talvez, ao que penso ser certo; mas não é uma preocupação vital minha que este certo prevaleça. Disponho-me a deixar que a maioria prevaleça.
    A obrigação de votar, portanto, nunca vai além da conveniência. Até votar pelo certo implica nada fazer por isso. É apenas declarar de uma forma débil para os homens que seu desejo sobre o certo prevaleça. Um homem sensato não deixaria o certo à mercê do acaso, nem deixaria que ele prevalecesse por meio do poder da maioria. Só há pouca virtude nas ações de massas dos homens.”

    Henry David Thoreau – “A Desobediência Civil”.

  3. Jairo Teixeira Mendes Abrahão em 20/10/2014 às 14:58

    Amiga Eloah.
    Talvez você se lembre de minha querida irmã Sonia, de quando fomos vizinhos à Rua José Pinto de Almeida. Ela diria, sobre seu comentário: ” O que tem a ver o cuco com as caças?”
    Eloah, sinceramente não vejo relação entre a crítica que fiz a uma leitora do JP que fez publicar, em 11 dias,dois textos antagônicos. Não sei se você os leu.
    Sobre seu texto comentei com Lolico, meu gato amarelo, e ele, que já foi fã de Thoreau deu de ombros!
    Se você puder clarear a mente deste velho amigo, ficarei muito grato.
    Saudações felinas!

    Jairo.

Deixe um comentário