Mar Bravio

Os textos de diferentes autores publicados nesta seção não traduzem, necessariamente, a opinião do site. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

navio-em-mar-bravioMe sou, soturno e delicadamente

Despido de culpa que desconstrói

Hoje abro minha voz pra toda gente:

Resisti às tempestades, qual herói.

 

 

Me fui, ainda mais caladamente,

Por dentro, lenho que cupim não rói

Ainda resisto em tom permanente

Que a dor maior não será a que dói.

 

 

Remei tempestuosos descaminhos

Ainda sei que não mais brigo comigo

Por erros que o passado reparou.

 

 

Por você, inverto rodamoinhos

Tiro a limpo qualquer ardor antigo

E me volto ao mar bravio de que sou.

 

Deixe um comentário