Novas classes sociais

Os textos de diferentes autores publicados nesta seção não traduzem, necessariamente, a opinião do site. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Sem títuloAntigamente as classes sociais em nosso país, se resumiam tão somente em “A, B e C”. Mais tarde, com a ampliação da: “D e E”, passamos para cinco. Hoje, porém, depois de toda essa zona política, penso que estamos no limiar de um novo tempo, e em época propicia para uma readequação das novas classes sociais, que poderiam perfeitamente ficar assim: Classe dos (HO – Honestos); dos (TF – Tanto Faz) e a dominante classe dos (BS – Bandidos), pois quem não é, apoia elegendo e reelegendo os donos da malandragem. E fica fácil entender essa minha tese das novas classes sociais, pois político que se preza, alguma vantagem leva, com a mais pura convicção, que no final, além de acabar em pizza, pode-se até escolher o sabor (recheio) pra comemorar. Santa Madonna da Achiropita – como é triste ver um bando de cidadãos; de eleitores tipicamente tapados, aplaudindo, mesmo que de longe, atuais e ‘ex’ políticos das três esferas dessa nação. Dói mais, quando isso acontece no quintal da gente, em nossa província, onde cidadãos sem um pingo de noção e vergonha na cara continuam achando uma auréola na cabeça de um ‘ex-monarca tupiniquim’. Já disse e repito: ‘todos esses incautos e incultos eleitores da amoral política’, tem uma boa chance de recuperar a visão. Para isso, basta tão somente a inscrição para transplante de córneas na AVISTAR – uma associação nativa, de alto nível e sem fins lucrativos, de assistência aos portadores de necessidades especiais, que visa promover condições favoráveis para a correção dos mais diferentes tipos de deficiências visuais, melhorando com isso a qualidade de vida. Por isso, apesar de muita gente ter plena e aparente sua capacidade de visão, resta claro que não enxergam um palmo à frente do nariz. E mais, que a moral não é nada nesse nosso mundo contemporâneo. Entretanto, rasgado em minha imaginação, fica a dúvida de tentar saber, como esses pais, apoiadores de toda essa política da pilantragem, conseguem ensinar e cobrar a responsabilidade moral dos seus filhos, pois para mim, quem apoia bandido, se iguala a ele. Para concluir, fico a pensar: ‘o que mais será preciso para espantar de vez, a imagem desses malandros da política tupiniquim’, pois o pior cego, ainda é aquele que não quer enxergar. Em qual classe você acha que está?

 

Deixe um comentário