Novembros fatídicos

Os textos de diferentes autores publicados nesta seção não traduzem, necessariamente, a opinião do site. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

downloadNão foi a primeira vez que eu vi uma operação dentro de um campo de futebol, por certo não haverá de ser a última. Entretanto, o que dói mais e no peito, quando isso ocorre em nossa origem, com a nossa torcida em nossa arquibancada. Um fato que guardo vivo em minha memória aconteceu numa noite quarta-feira, de 25 de novembro de 1981, no Parque Antártica, campo do Palmeiras, na primeira partida pela divisão de acesso à 1º divisão do futebol paulista, entre o nosso XV e o Santo André. O quinze tinha entre os destaques, Pizelli no gol, Alan, Aílton, China, Vadinho, Rogério, Oriel, Tarugo e Brandão. O Santo André tinha Lance, remanescente do Corinthians como destaque da equipe. Entre os 16 mil torcedores presentes estava eu, e lá, pude assistir ao vivo o árbitro José de Assis Aragão, validar um gol do Lance aos 33’ do primeiro tempo em escandaloso impedimento. No segundo tempo empatamos com Brandão e por aí ficou. Três dias depois, uma segunda partida, no mesmo lugar e com a mesma arbitragem, onde eu e outros 24 mil torcedores presentes vimos novo empate com outro gol de Brandão. Esses dois empates, forçaram uma terceira e decisiva partida, na terça seguinte, onde fomos derrotados por 3 a 1, perdendo o direito de acesso à primeira divisão do estado de São Paulo. Como podemos recordar, o gol irregular de completo impedimento validado pelo polêmico e nefasto árbitro Aragão, tirou-nos a chance de em duas partidas ganharmos o acesso. No meio esportivo era chamado de ‘Aragato’. Agora, 32 anos depois, outro árbitro, Welton Orlando Wohnrath, operou-nos duplamente sem anestesia, validando dois gols irregulares do S. Bernardo, aliás, onde nasceu o árbitro. Por isso ao ver essa bandalheira esportiva, acho que deveríamos pegar a Federação Paulista, através do Estatuto do Torcedor por quaisquer desses artigos: Art. 30: É direito do torcedor que a arbitragem das competições desportivas seja independente, imparcial… Art. 34: É direito do torcedor que os órgãos da Justiça Desportiva, no exercício de suas funções, observem os princípios da impessoalidade, da moralidade… Art. 41-C: Solicitar ou aceitar, para si ou para outrem, vantagem… para qualquer ato ou omissão destinado a alterar ou falsear o resultado de competição esportiva… Art. 41-E: Fraudar, por qualquer meio, ou contribuir para que se fraude, de qualquer forma, o resultado de competição esportiva. Guardadas as proporções, já imaginou uma final de Copa do Mundo entre Brasil e Argentina sendo apitada por um argentino. Eh! Coronel Marinho (comissão de arbitragem), vê se cria vergonha!

Deixe um comentário