O Gerente como Agente de Mudança

Os textos de diferentes autores publicados nesta seção não traduzem, necessariamente, a opinião do site. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

download (1)Os gerentes são catalisadores para a mudança e administram o processo de mudança. A abordagem do agente de mudança passou por três fases de evolução:

  1. Nos anos 1950, os gerentes concebiam e executavam programas de mudança planejada.
  1. Nos anos 1980, os gerentes utilizavam a TQM para a mudança e a melhoria contínua.
  1. No século XXI, os gerentes precisam implementar mudanças abruptas, radicais.

A abordagem do gerente-como-agente-de-mudança é compatível com o mundo inconstante do trabalho. Os gerentes precisam adaptar-se à mudança e iniciá-la no interior de suas organizações. Os gerentes modernos devem ser especialistas nas seguintes habilidades: prosperar no caos, ser treinador, delegar poder aos funcionários, compartilhar informações e ter sensibilidade às diferenças.

As ambiguidades do local de trabalho têm aumentado o stress e a estafa entre os gerentes. Os gerentes de sucesso prosperam na incerteza e convertem a mudança rápida em oportunidade.

Predominando na maior parte deste século, o gerente-como-chefe tomava decisões, dava ordens e controlava as atividades. Os gerentes de hoje precisam praticar a orientação, o encorajamento e a motivação para criar um ambiente onde os trabalhadores possam se superar.

Os gerentes estão abrindo mão de sua autoridade e delegando poder a seus funcionários. Aqueles aos quais se ensinou que os gerentes deveriam ser pessoas que “assumem o comando” e não compartilham a autoridade para tomar decisões têm encontrado dificuldades para adaptar-se à delegação de poder aos funcionários.  A fonte de autoridade pode se basear nos grupos de trabalho.

Os gerentes tradicionais controlavam as informações porque compartilhá-las significaria aumentar o poder dos trabalhadores. Uma vez que os indivíduos e as equipes aos quais se delega poder precisam estar a par das informações para realizar seus trabalhos, os gerentes contemporâneos devem ser “canais”, captando e compartilhando informações com os membros de suas unidades. Alguns gerentes se sentem ameaçados por compartilhar informações com os funcionários.

Embora os valores, necessidades, interesses e expectativas dos trabalhadores nunca tenham sido homogêneos, esses elementos variavam menos antes dos anos 1970 do que agora. Os gerentes de hoje não podem supor que todos os trabalhadores tenham desejos, necessidades e motivações semelhantes. Dessa forma, devem estar alertas a diferenças e preconceitos como os de sexo, raça, idade no local de trabalho.

Apesar do downsizing, das hierarquias organizacionais achatadas e da delegação de poder aos funcionários, os níveis gerenciais da maioria das empresas permaneceram quase inalterados. Essa estabilidade pode ser explicada por quatro fatores. Primeiro, pelo maior número de funcionários que têm assumido responsabilidades gerenciais: planejando orçamentos, organizando horários, contratando membros de equipe e representando a organização. Segundo, porque o crescimento das pequenas empresas aumentou a necessidade de gerentes. Terceiro, porque os cargos administrativos se multiplicaram e se tornaram mais sofisticados, com isso exigindo mais gerentes. Quarto, porque a expansão em escala mundial das companhias aumentou a necessidade de gerentes.

Ser gerente é saber ser estratégico, comportamental e operacional..

 

 

 * Robson Paniago é Administrador Tecnológico & Social e professor da IBE-FGV

Deixe um comentário