Pelé ou Maradona?

Os textos de diferentes autores publicados nesta seção não traduzem, necessariamente, a opinião do site. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

    images (71) Não há como escapar. O assunto do momento é a Copa do Mundo e ponto final. Perdoe-me quem pouco aprecia o nobre esporte bretão, mas é irresistível, não há como fugir deste tema palpitante, oportuno e fascinante.

     Aliás, cometi um engano numa destas minhas crônicas esportivas. Quem me advertiu foi o nosso atento amigo Cecílio Elias Netto. Atribuí a Armando Nogueira aquela famosa expressão “a pátria de chuteiras”. Cecílio me lembrou que é do autor e dramaturgo Nelson Rodrigues. Obrigada pela correção. Seja ela aqui registrada e autenticada, com firma reconhecida.

     O melhor de tudo é que este mundial está se realizando em nosso país, como um milagre, apesar de todas as críticas, do medo, da torcida contra, dos protestos e manifestações justas e legítimas. Nosso povo ama o futebol, porém se manifesta com indignação a respeito de todo um sistema gerador de profundas desigualdades sociais, de injustiças gritantes, das quais a sociedade brasileira se cansou definitivamente.

     Estou assistindo à boa parte dos jogos e vou notando isso e aquilo, ajudada pelos comentários impagáveis do Neto, ex-jogador do Corinthians. Suas observações são precisas, espirituosas e inteligentes. Também vibrei com a o time da Costa Rica, torci pelo Irã (contra a Argentina) e achei belíssima a partida entre Gana e Alemanha.

     De resto, observo outros detalhes: as camisas de alguns times estão justas demais, deixando ver peitorais malhadamente trabalhados. Mudaram os tempos ou mudaram os estilistas esportivos? Já ouvi alguns comentaristas falando das camisetas apertadas.

     Lembro de alguns uniformes de antigas seleções brasileiras. É só olhar as fotos, sobretudo as de 70.  Aquela camiseta acanhada, o “short” curtinho demais. Hoje, os calções mais longos e largos dão liberdade total, são mais bonitos e devem ser extremamente confortáveis para os atletas da bola.

     E os cabelos dos jogadores, caro leitor? O que V.Sa. pensa dos penteados? Aquela franja desfiada, dura e loira, sobre a testa do Neymar, não atrapalhará uma cabeceada? Já chamaram o tal estilo de “cavalo quarto de milha”. Essa turma é fogo.

     Numa das transmissões, o narrador anunciou: “Atenção, meninas, se preparem, Cristiano Ronaldo vai jogar a próxima partida”. E nós com isso? Bonito, sim, mas nem tanto. Aí, surgiu uma disputa sobre o mais belo: Neymar ou Cristiano? Ora, façam-me um favor… Vamos lá: Pelé ou Maradona?

     Durante um programa feminino na tevê, a apresentadora mostrou “os gatos da Copa”, jogadores de algumas seleções, que se destacaram pelo porte físico. Sim, bonitos, claro. E Mario Balotelli estava na lista. Uma moça do programa perguntou: “Esse é bonito?”. Menina, menina, se você não acha Balotelli bonito, seu conceito de beleza é somente loiro de olhos azuis?

     A Copa faz a presidenta dizer que perdoa aos que a vaiaram e foram contra. Para ela, esta é a “Copa das Copas”. Alguém duvida? O Brasil é o único país no mundo que possui 15 arenas de futebol. Motivo de orgulho? Deixo a pergunta no ar. E la Copa va…

Deixe um comentário