Por falar em água

Os textos de diferentes autores publicados nesta seção não traduzem, necessariamente, a opinião do site. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

DESPERDÍCIO

Li na imprensa vereador da situação dizendo que quem esbanja água tem que ser multado. Concordo plenamente, aliás, isso tem que ser norma – a começar pelo SEMAE, o maior desperdiçador – mais ainda quando a água é abundante, não só quando está acabando. Porém, gostaria de lembrar ao vereador que seu partido é, de certo modo, também responsável pela escassez de água aqui e na região. Em vez de cuidarem das nascentes, das matas e das minas, priorizaram asfalto e concreto. Sem os devidos estudos esticaram o perímetro urbano para acolher interesses imobiliários. Trouxeram empresas a torto e a direito inchando a cidade; a demanda por água cresceu e as fontes diminuíram. Ficaram com o bônus. Agora querem que a população arque com o ônus. É sempre assim. Como seria bom o Brasil se não existissem políticos, pelo menos desse tipo!

MUITO PAPO E POUCA AÇÃO.

Consórcio PCJ, Sistema Cantareira, Grupo de Eventos Extremos, SEMAE, SEDEMA, ANA, DAEE, SABESP, SETESB, Ministério Público, etc. Um monte de organizações e de pessoas para cuidar – algumas exclusivamente – dos recursos hídricos e a situação chegou aos caos que chegou. Já que perguntar não ofende esse povo todo serve para quê além de promover palestras, encontros, seminários, reuniões, eventos? Sei que a estiagem atípica que atravessamos prejudica muito, porém vejo vertentes e minas sendo soterradas ou em completo abandono e nada se faz. Penso que se juntássemos os salários dessa gente com os recursos que consomem e os investíssemos na recuperação das matas ciliares e reabilitação das nascentes, certamente teríamos melhores resultados.

‘AVENIDA RIO PIRACICABA’

A turma da Barragem que fique esperta porque do jeito que o ‘progresso’ deixou o rio Piracicaba algum prefeito oportunista pode querer aproveitar sua calha seca para fazer ma avenida ligando Piracicaba a Barra Bonita a exemplo do que fizeram na Higienópolis, importante ramal ferroviário, que poderia ter sido reativado com as devidas adaptações e adequações. Um administrador de visão e ousado teria visto ali um sistema de transporte público sustentável e barato que ligasse Tupi, Bartira, Peória, Santa Izabel, Horto Florestal e adjacências com a cidade. Além de beneficiar milhares de trabalhadores seria uma atrativa opção de lazer.

‘EMPREENDEDORES DE SUCESSO’

Mais que à falta de chuvas, a lenta agonia das águas se deve à voragem do agronegócio, da monocultura, da agricultura predatória, dos criadores de gado, do setor imobiliário, de administradores públicos e políticos inconseqüentes; em Piracicaba, especialmente dos canavieiros. Muitos deles se enricaram à custa da exploração da mão de obra e da destruição do meio ambiente. Se tivessem sido justos com seus empregados e respeitado as leis da natureza ou compensado as agressões que causaram, duvido que se enricassem tanto. Água da terra não sai mais porque derrubaram florestas e matas ciliares; mataram os animais, soterraram nascentes, envenenaram terra e rios; assorearam corpos d’água e estrangularam a agricultura familiar. Dependemos das chuvas. Se não vierem beberemos garapa, tomaremos banho com vinhoto, comeremos açúcar e rapadura? Tidos pela sociedade como benfeitores – ajudam até igrejas -, empreendedores de sucesso, geradores de riquezas e empregos, na verdade são exterminadores da vida. “Seu apetite devorará a terra, deixando somente um deserto”. (Chefe Seattle, 1854). Enquanto isso as cadeias transbordam ladrões de salame.

Deixe um comentário