Realidade e fantasia

Os textos de diferentes autores publicados nesta seção não traduzem, necessariamente, a opinião do site. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

images (34)A sociedade atual, autofágica e ávida de novidades, absorve tudo o que lhe é oferecido, ainda que tal oferta signifique um golpe mortal na fé e nos corações. O espírito humano parece entorpecido e confuso, debatendo-se entre diferentes correntes do pensamento, sobretudo as que dizem respeito às áreas da religião e das questões espirituais.

A sede de conhecimento e de aventura também pode  conduzir a caminhos nem sempre elucidativos. É muito fino e tênue o fio que separa o falso do verdadeiro. Hoje, as mensagens da mídia são tão bem construídas e elaboradas, que passam uma idéia de autenticidade e firmeza. Se nos deixamos levar pela excessiva fantasia com que se tenta revestir a realidade, para torná-la mais suportável, temos de arcar com as conseqüências destas práticas.

Embora estejamos atolados na parafernália tecnológica deste novo tempo, um mundo à parte, feito de fantasia e mágica, serve de complemento ao sonho. A máquina é fria e o coração do homem, supõe-se, é quente. O homem precisa sonhar e parece não poder dispensar um paralelo nas chamadas “asas da imaginação”, para voar ao limite do razoável.

O que é razoável? A realidade tem sido bastante dura, reconhecemos. O cotidiano exige cada vez mais de nós, sobretudo pelo medo e insegurança com que vivemos. A violência nada tem de simbólica: ela é real e suas histórias são concretas. Casos de sequestros, assaltos e crimes se repetem à exaustão. Pessoas são mortas estupidamente; traficantes medem forças com a polícia, numa guerra que espalha pânico pelos bairros periféricos das grandes cidades. Vemos as cenas na tevê e elas parecem não nos atingir.

Em oposição à realidade, a fantasia vem oferecer um pouco de sonho, tentando serenar o coração humano. Se no mundo real o processo de sobrevivência é ligado ao trabalho, aos esforços diários, no mundo da ficção tudo é diluído na facilidade, na sorte e na diversão. Mas, a vida de verdade não pode ocultar as tristezas, dores, perdas, sofrimento. Nas fábulas do faz-de-conta, os heróis têm superpoderes, as dificuldades são vencidas num toque de mágica e os pares apaixonados vivem felizes para sempre. Estes elementos servem de contraponto às incertezas da nossa vida cotidiana, de modo a superar-lhe a dúvida principal e essencial: a felicidade existe?

O espírito humano busca esta felicidade, o homem deseja ser feliz e gozar as delícias de uma vida terrena sem problemas, dores ou fracassos. No entanto, a realidade é feita justamente da mistura dos dois lados muito bem conhecidos de todos nós: existe a tristeza e também a alegria. A sabedoria de como lidar com os extremos da vida real faz parte da maturidade emocional e do caráter bem resolvido.

Até onde somos incentivados a colocar nossa crença na representação da fantasia, deixando de valorizar a realidade de nossas vidas, com todos os problemas, lutas e sacrifícios? Guardei isso no meu coração: “A vida ser lei e não a lei ser vida”. E la nave va…

 

Deixe um comentário