Se

Os textos de diferentes autores publicados nesta seção não traduzem, necessariamente, a opinião do site. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

ovelhaaas

Se Jesus voltasse agora talvez mandasse sua Igreja sair da toca. Ele não ficava no templo. Aliás, qual pastor se não Ele deixa 99 ovelhas em lugar seguro para buscar a que se perdeu? O pai da parábola fez festa para o filho que voltou enquanto o que nunca saiu se consumia no próprio azedume. Era tão ‘caxias’ que não percebeu e nem curtiu o amor grandioso do pai.

Pode ser que Jesus questionasse a Eucaristia trancada nos sacrários das igrejas e servida somente aos que já vivem em ‘estado de graça’. Sendo “pão que ao mundo dá vida”, deveria estar nas ruas, praças, campos e montanhas; barracos e cortiços; abrigos e cadeias. Talvez quisesse saber por que nas favelas e periferias a Eucaristia é celebrada quando muito uma vez por mês e nas paróquias centrais há missas de hora em hora para quem tem têm carro, boa roupa e qualidade de vida. Afinal não nasceu Ele e morreu fora da c idade e não veio aos pobres anunciar a Boa Nova?

Não há padres para tanto, responderia a Santa Madre. Jesus talvez dissesse estar sobrando gente com boa vontade e com sincero desejo de servir. Quem disse que para a Eucaristia acontecer é indispensável a presença de um homem celibatário e com dedicação exclusiva? Não podem ser chamados de volta padres casados já que a messe é grande e está em jogo a salvação, que acontece aqui e agora e não depois da morte? Não pode ser um pai ou mãe de família, uma religiosa ou qualquer alguém que a comunidade julgue apto? Afinal é a fé da comunidade na ação do Espírito Santo que faz a Eucaristia ou são as palavras de um consagrado? Sem comunidade há Eucaristia?

Talvez quisesse saber o significado do binômio leigo-hierarquia se seu desejo sempre foi um só povo sendo Ele o pastor, nós servos inúteis e o maior o que põe seus dons a serviço. Poderia lhe causar estranheza tal leigo não tomar parte nos destinos da Igreja já que sem ele ela perde o sentido. Participante ativo no múnus real, sacerdotal e profético de Cristo por que – grosso moldo – seu quinhão não vai além de vender rifas e bingos; erguer templos e intermináveis basílicas; suprir falta de padres; fazer campanhas para anestesiar mazelas sociais causadas pela omissão do poder público?

Não sei se Jesus gostaria de ver bispos e padres calados ante o sofrimento do povo e da natureza devido à irresponsabilidade de políticos e ganância de poderosos. Que diria a clérigos milagreiros e benzedores de pontes ornamentais, às congregações religiosas que, apesar de voto de pobreza mantém quase vazios dispendiosos e imensos conventos, mosteiros, casas e seminários enquanto multidões não têm onde morar, ou mesmo peregrinos onde reclinar a cabeça? Gostaria Ele de saber que padres e consagrados fazem mestrado e doutorado na Europa e EUA, enquanto seu povo, por falta de formação e informação, permanece refém duma fé infantil e sente dificuldades em interpretar e trazer para o cotidiano trechos simples das Escrituras?

Se Jesus entrasse em nossas igrejas durante o culto talvez pusesse a mesa bem no meio como quando estava entre os discípulos, e olhando no olho de cada um, faria como em Emaús nosso coração arder. Falando nosso nome nos chamaria de amigos. Diria que na casa do Pai há muitas moradas e está preparando uma pra nós; que somente o amor fraterno, o serviço mostram que somos seus discípulos; por isso ninguém na comunidade pode passar despercebido ou sofrer na solidão. Se nos amarmos de verdade passantes sentirão atraídos e de longe gente chegará à busca de acolhida. Diria também que quem o ama pratica seus ensinamentos e faz obras maiores que Ele; que no mundo teremos aflições porque não somos do mundo, mas que não nos perturbemos e nem tenhamos medo porque Ele venceu e nos trouxe sua paz.

2 comentários

  1. cecilio elias netto em 24/10/2013 às 00:24

    Permita-me continuar chamando-o de Totó, como na sua adolescência que conheci e que me encantou. Orgulho-me de ver o jovem ter-se transformado num adulto sábio, fiel a seus princípios, vivendo – com alegria – as dores do apostolado. Suas palavras, Totó, são sementes que germinam quando caem em terra fértil. E há muito solo generoso à espera dessa sua fé lúcida. Parabéns, amigo. Cecílio

    • Antonio Carlos Danelon em 24/10/2013 às 17:36

      Fui e sou (grande coisa!) Totó porque tive um Cecílio em minha vida. Partilhamos momentos de glória e alegria e momentos de aflição. Tudo valeu a pena. Aprendi a não abrir mão de valores porque você sempre lutou pela Justiça e isso muito me empolgava. Se escrevo alguma coisa – e tive a honra de receber publicamente esse elogio de você, que muito me emocionou – tudo começou quando nos anos 70 você pediu para que eu escrevesse no Diário todos os dias. Gelei, pois além do JORNALISTA que você sempre foi O Diário era o jornal mais lido e mais importante da região. Tentei corresponder à sua ousadia. Você sempre me incentivou. Melhor que um elogio desses só começando tudo de novo. Obrigado, meu Guru.

Deixe um comentário