Soneto do amanhã

Os textos de diferentes autores publicados nesta seção não traduzem, necessariamente, a opinião do site. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

nascerdosol

Se o pranto desse dia nada santo

Ainda carrega a dor de um despeito

É tempo de esperar pelo desfeito

– Derramar numa noite tanto a tanto.

Que na manhã se verta o acalanto

Com canto de caboclo satisfeito

Pois nunca se descobre o que é perfeito

Sem antes renascer ao novo encanto.

Canta! Canta que a voz espanta a dor

Que a flor tem o odor da noite vazia

Mas mostra todo dia nossa cor.

Que o canto de amanhã seja elegia

Dos ecos que abençoam o sabor

Das voltas como enredo e alegoria.

Deixe um comentário