Moda de viola: Craveiro, Cravinho e família mantêm a chama acesa

*Artigo e fotos/imagens  retirados do livro “Piracicaba, a doçura da terra”, de Cecílio Elias Netto.

craveiro1

O jornalista Cecílio Elias Netto com a dupla Craveiro e Cravinho

Como é bom poder dizer que a Moda de Viola, a autêntica música sertaneja, nasceu e continua morando em Piracicaba. Desde a formação da primeira dupla sertaneja, passando pela primeira gravação de uma Moda de Viola (a canção Jorginho do Sertão, pela dupla Mariano e Caçula) e pelas criações das canções “Piracicaba” (de Newton A. de Mello, que virou hino oficial da cidade) e “Rio de Lágrimas” (composta por Tião Carreiro, Lourival dos Santos e Piraci, que tornou Piracicaba conhecida em todos os quatro cantos do Brasil), foi que nossa cidade passou a ser conhecida como a Capital da Música Sertaneja.

Por aqui passaram (e continuam passando, cantando, tocando, encantando) imortais da música caipira como Mariano, Caçula, Zico Dias, Mandi, Sorocabinha, Nhô Chico, Sebastião Roque, Piraci (Miguel Lopes Rodrigues, também conhecido como Piracicabano), entre tantos outros.

Hoje, a divulgação da cidade, através da música sertaneja, está nas mãos e nas vozes dos integrantes da família Franco, com base nos irmãos, Craveiro e Cravinho, naturais de Pederneiras/SP, mas que escolheram Piracicaba para viver e criar seus filhos e netos.

Filhos do violeiro Josué Franco, Craveiro e Cravinho ingressaram na rádio Difusora de Piracicaba, em 1958, na qual atuaram por quase 20 anos. Craveiro é pai de Cezar e Paulinho, e avó de Ed & Fábio Cezar, todos nascidos em Piracicaba. Pai, tio, filhos e netos são responsáveis por centenas de sucessos e, juntos, levaram o show “Geração de Cantador” para todo o Brasil.

Geração de Cantador (Autoria de Cezar e Beto Surian)

Cezar e Paulinho:

Meu avô tocou viola

O meu pai é sertanejo

Fui crescendo com a viola

Sendo aluno dessa escola

Sou feliz agora vejo

Eu colhi felicidade

Pelos circos e coretos

Pelos cantos e cidades

O meu pai cantou verdade

E o meu tio fez o dueto

Adeus morena, adeus

Craveiro e Cravinho:

Adeus morena, adeus

Na casa de Mané Pedro

Foi numa festa de São João

Cantei moda de viola

Cateretê lá do meu sertão

Toada paraguaiana

De mexer no coração

Eu fiz a velha chorar

E a moça sentir paixão

Eu fiz a velha chorar

E a moça sentir paixão

Cezar e Paulinho:

Craveiro e Cravinho

Somos fãs e frutos seus

Somos Cezar e Paulinho

Prosseguindo com carinho

A missão que Deus nos deu

Ed e Fábio Cezar:

O meu pai vive na estrada

O meu tio é companheiro

Enfrentando as jornadas

Noites, dias, madrugadas

E a esperança o tempo inteiro

Uma dupla sertaneja

Que canta desde menino

Um dueto tão bonito

Ecoando no infinito

Maravilha, dom divino

Cezar e Paulinho:

O feijão e a flor

A flor era você

E o feijão era eu

Abraçados um ao outro

Comigo você cresceu

Meus filhos, e meus sobrinhos

Ed e Fábio Cezar

Ed e Fábio Cezar:

É um dom de pai pra filho

Cantar mensagens de amor

Confirmando as referências

Hoje somos a sequência

Geração de cantador

Cezar e Paulinho:

É um dom de pai pra filho

Cantar mensagens de amor

Confirmando as referências

Hoje somos a sequência

Geração de cantador

Todos:

É um dom de pai pra filho

Cantar mensagens de amor

Confirmando as referências

Hoje somos a sequência

Geração de cantador

Deixe uma resposta