Gustavo Gerstmann na Seleção Brasileira

unnamed“A coroação de muito esforço”. Com estas palavras, Ana Lúcia Gerstmann define a conquista de seu filho, o mesatenista Gustavo Gerstmann, a uma vaga para representar o país na Seleção Brasileira que disputará o Campeonato Sul Americano de Tênis de Mesa. Com apenas 12 anos, a mais nova contratação da equipe CCP/APTM/Palmeiras-SELAM-Liceu garantiu a passagem após vencer Joon Shin na final, por 4 sets a 1, com parciais de 11/9; 6/11; 12/10; 11/9 e 11/7. Apesar da pouca idade, o atleta se destaca não apenas com a raquete nas mãos, e demonstrou vir de um lar com fortes valores familiares ao dedicar sua vitória ao avô, André Gerstmann, falecido há menos de um mês.

Ainda representando o Jundiaí, Gustavo está de malas prontas e chega em Piracicaba em fevereiro para enfrentar um dos maiores desafios de sua carreira: a primeira experiência morando longe de casa. O menino que começou a jogar com quase 7 anos de idade, e que a princípio só queria derrotar o irmão mais velho, tem mostrado grande talento com a raquete nas mãos, uma experiência que começou nas quadras de saibro mais que acabou se consolidando mesmo no tênis de mesa.

De descendência judaica, Gustavo traz consigo o mesmo brio e coragem de seus antepassados, que até hoje lutam pela posse do seu território. Ao invés de pegar em armas, no entanto, a batalha de Gerstmann é com a agenda diária e as múltiplas atribuições de um jovem talento que quer vencer no esporte e na vida. Estudando no período da manhã, as tardes eram praticamente dedicadas ao treino esportivo, seguindo o caminho aberto pelo irmão Caio Gerstmann, atleta paralímpico classe 9 e que hoje se dedica ao vestibular.

Há 160km de Piracicaba, a família Gerstmann que vive em Mairiporã é a maior incentivadora do desenvolvimento de Gustavo, e encara a mudança do atleta para Piracicaba com um misto de confiança e saudade. “Como mãe, confesso que estou com o coração na mão, afinal ele só tem 12 anos, com muito ainda por amadurecer… Mas ao mesmo tempo acredito que ele crescerá como pessoa e como atleta”, testemunha Ana Lúcia. Com o pai Henrique e a avó Ana Maria, a “Vó Menina”, a família pretende estar em Piracicaba todos os finais de semana, para acompanhar de perto o desenvolvimento do atleta; que ficará sob a responsabilidade do técnico Filipe Prando.

No que depender do apoio familiar e da estrutura da equipe CCP/APTM/Palmeiras-SELAM-Liceu, que recebe subvenção da Lei Pelé por meio da CBC (Comitê Brasileiro de Clubes), Gustavo Gerstmann tem chances de voltar do Sul-Americano Mirim com bons resultados para o Brasil. O esforço pessoal, conjugado à herança de um povo com grande capacidade de resiliência e superação, conspiram para que o nome Gerstmann atravesse fronteiras.

A equipe CCP/APTM/Palmeiras-SELAM-Liceu conta com o apoio de SELAM, Liceu Terras do Engenho, São Paulo Cestas, BioEco Esportes, Pastelaria Campeão, MS Tecnoponn, Subway, Pré Vestibulares Piracicaba e Butterfly.

Deixe um comentário