Arco, Tarco, Verva: Dicionário do Dialeto Caipiracicabano

Banho de gato

Acontece nos melhores hospitais e nas melhores famílias. É banho só com paninho molhado, úmido. Enfermeira chega no quarto e vai avisando, toda contente: “Bilu, bilu… Chegô a hora de banho de gato, cadê o gatinho meu?” – fala para o desgraçado do véio estropiado. E muié, em casa, tentando afastar marido assanhado: “Tudo bem. Se ocê qué, mai eu võ avisando: além de uma puta diuma dor de cabeça que eu tô, eu só tomei banho de gato. E ocê vai tomá banho intero, que eu num güento hóme só cum banho de gato.”

Deixe um comentário