Florença, o berço do Renascimento

*Artigo e fotos/imagens  retirados do livro “ Piracicaba, a Florença Brasileira – Belas Artes Piracicabanas”, de Cecílio Elias Netto.

arvore-da-vida

A ÁRVORE DA VIDA, 1310 PACINO DI BONAGUIDA

Se os Deuses foram generosos com as belas artes piracicabanas, o que podemos dizer sobre suas preferências pelos artistas italianos? Impossível explicar tantas manifestações de afeto e privilégios distinguidos ao país, principalmente na região da Toscana, tendo como principal centro a cidade de Florença, tida como berço do Renascimento, período transitório entre a Idade Média e a Idade Moderna marcado por importantes mudanças no pensamento em muitas áreas da vida humana, refletidas na cultura, economia, política e religião.

A Renascença Italiana ocorreu na Europa entre os séculos XIV e XVI, difundindo-se para todos os países da Europa Ocidental, Inglaterra, Alemanha, Holanda, Portugal e Espanha, e o termo é mais comumente empregado para descrever seus efeitos nas artes, na filosofia e nas ciências, envolvendo grandes nomes da história da humanidade. É difícil relacionar tantos talentos reunidos na região da Toscana sem cometer injustiça, mas torna-se um absurdo não mencionar gênios como Dante Alighieri, Galileu Galilei, Maquiavel, Fra Angelico, Giorgio Vasari, Federico Zuccari, Giotto, Bonaguida, Brunelheschi, Donatello, Botticelli, Leonardo da Vinci, Michelangelo e Rafael. O movimento envolveu ainda, em outros locais do mundo, celebridades como Nicolau Copérnico, Johannes Kepler, Gutenberg, Isaac Newton, Miguel de Cervantes, Luís de Camões, William Shakespeare, além dos italianos Ticiano e Tintoretto, da região de Vêneto.

crucificacao

A CRUCIFICAÇÃO, 1303-1305 GIOTTO

Duomo de Florença inspira a cúpula da Igreja da Boa Morte

A atual Igreja Nossa Senhora da Boa Morte é a segunda construída no mesmo local. A primeira, iniciada em 1853 e concluída em 1855 por Miguelzinho Dutra, foi demolida, em 1891, época em que o Colégio Assunção, que ficava ao lado, pegou fogo. O arquiteto italiano Alberto Borelli optou pela construção de uma nova igreja, concluída em 1926, com uma cúpula bastante significativa inspirada na Igreja Santa Maria del Fiore, de Florença. As obras da cúpula foram executadas por Paulo Pecorari e Romanini, sendo que este morreu durante a obra ao cair do andaime.

igreja-boa-morte

Cúpula do Duomo Santa Maria Del Fiore, obra de Brunelheschi, em Florença, Itália (foto abaixo), serviu de referência para a cúpula da Igreja Nossa Senhora da Boa Morte, em Piracicaba (foto acima)

cupula

JUÍZO FINAL (Cúpula Duomo de Florença), obras de Vasari e Zuccari

cupula1

Deixe um comentário