Conheça os sintomas da dengue e previna-se

Apesar de o alarde não ser tão grande como em outro anos, os casos de dengue aumentaram muito: até março, o Ministério da Saúde registrou mais de 714 mil casos, contra 190 mil notificados nos três primeiros meses do ano passado. Quanta diferença! Não há motivo para pânico, mas não custa nada lembrar os cuidados que se deve ter para fugir da doença.

Com o vírus novo, do tipo 4, os casos de dengue hemorrágica também tendem a aumentar Foto: Getty Images

Com o vírus novo, do tipo 4, os casos de dengue hemorrágica também tendem a aumentar
Foto: Getty Images

Um dos fatores para esse aumento é que, neste ano, o vírus 4, menos comum, se espalhou. Atualmente, metade dos casos registrados é desse tipo. “A dengue é causada por quatro vírus diferentes. A maioria das pessoas já teve dengue do tipo 1, 2 ou 3, mesmo que não tenha percebido, e por isso parte da população já está imune a eles. Acontece que poucos tiveram a dengue 4 antes”, explica o infectologista Celso Granato.

Com o vírus novo, os casos de dengue hemorrágica também tendem a aumentar, porque essa complicação ocorre quando a pessoa já teve outro tipo da doença antes. Mesmo que o vírus seja diferente, a dengue 4 tem os mesmos sinais que a causada pelos outros vírus. “Os sintomas são febre alta que aparece de repente, acompanhada de dor de cabeça e no corpo. Quando a pessoa suspeita que está com dengue, deve procurar imediatamente uma unidade de saúde”, alerta Giovanini Coelho, do Ministério da Saúde. Cuide-se!

 Boa notícia: menos mortes

Mesmo que o número de doentes tenha disparado, a quantidade de casos graves caiu. Neste ano, foram registrados 1.417, e, no mesmo período do ano passado, foram 1.488. Pode parecer uma redução pequena, mas, se você pensar que o número de doentes foi muito maior, isso significa que uma parte menor das pessoas que pegaram dengue teve complicações. O número de mortes também caiu, até março foram 117.

 Cuidado especial com os idosos

Segundo o Ministério da Saúde, pessoas com mais de 60 anos correm um risco 12 vezes maior de morrer de dengue. Quatro em cada 10 mortes registradas neste ano foram de pacientes idosos. Então, atenção redobrada com eles!

 Fique de olho nos sintomas clássicos

Eles podem indicar que você está com a doença. Na dúvida, procure um médico:
– Febre alta (de mais de 38°).
– Dor de cabeça forte (principalmente atrás dos olhos).
– Dor muscular.
– Não confunda com gripe ou resfriado: a dengue normalmente não apresenta sintomas como dor de garganta e espirros.

 Como se prevenir

– Acabe com a água parada. Todo mundo sabe que água parada é um lugar ótimo para a reprodução do mosquito Aedes aegypti, que transmite a doença. Cuidado com água parada nos vasos, pneus, lixo, caixa d’água…
– Use repelente, principalmente nas partes da pele que ficam mais expostas, como braços e pernas, e reaplique a cada duas ou três horas.
– Mesmo com o calor, evite sair com o corpo muito exposto, principalmente no fim da tarde.

 Sinais de perigo!

A maioria dos casos de dengue não tem complicações, mas, se você estiver com os sintomas clássicos e sentir também um dos sinais abaixo, vá a um pronto-socorro. Pode ser do tipo hemorrágico!

– Sangramentos: De qualquer tipo. Segundo Granato, se você está com os sintomas da dengue e sua gengiva sangrar, por exemplo, pode ser sinal de que há alguma complicação.
– Dores na barriga: Mas lembre-se: só se preocupe se estiver também com algum dos sintomas clássicos.
– Sonolência: É mais fácil alguém perceber isso. Fique ligada se um amigo disser que está te achando muito cansada.

Reportagem: Daniela Frabasile
Conteúdo: VIVA!MAIS/Edição: MdeMulher

Deixe um comentário