Retratos das tradições piracicabanas: tipos populares.

Os tipos populares trazem em grande dose o que as pessoas carregam consigo de grotesco, excêntrico e ridículo. Na lista dos tipos populares há um predomínio total de características sociais, psicológicas e somáticas exacerbadas. Essas pessoas são notadas, observadas e exploradas com arte e humor, tornando-se, porque não dizer, queridas no seio do grupo social. Geralmente perdem o nome e ganham um apelido, incorporando-se ao folclore da região.

OS PREGOEIROS, CASCAFINA E AÇUCARINA

Lá pela década dos anos de mil novecentos e trinta, havia em Piracicaba um casal de italianos muito popular, em virtude de seus pregões na venda de laranjas e mexericas. Os apelidos vieram daí. Um atrás do outro, carregando nos braços grandes cestas cheias, percorriam as ruas. O marido anunciava as frutas alertando que as mesmas tinham casca fina:

“Olha a laranja
É buona
De casca fina”

A esposa reforçava que:

“é molto dolce.
Tem açucarina”.

BRUNHONI

Outro tipo popular da mesma época (década de 1930) era Brunhoni. Vendedor de calçados, anunciava sua presença cantado:

Jesú era macchinista
La madonna era fochista
Tutti santi entro degli vagoni
Cantavano: Viva Brunhoni”.

Traduzindo:

“Jesus era maquinista
Nossa senhora era foguista
Todos os santos dentro dos vagões
Cantavam: Viva Brunhoni”.

Com esse destampatório de asneiras, Brunhoni, sem anunciar os calçados que estava vendendo, chamava a atenção para o próprio nome. Ai de quem fizesse alguma pilheria com ele! Virava um bicho.

– Mascalzone, farabutto, io ti strangolo flgllo d…

EPÁLÁLÁ

Epa lá lá foi uma figura muito popular por volta de 1925. Empalhador de cadeiras, ganhou o apelido por causa de seu pregão:

Epa lá lá
Tem cadeira prá empaiá …

*CONTINUA

Deixe um comentário