Miguel Archanjo Benício de Assumpção Dutra, o Miguelzinho Dutra (3)

Igreja Nossa Senhora da Boa Morte

No ano de 1844, Miguelzinho Dutra muda-se com sua esposa Francisca Rosa de Assis para Piracicaba, cidade na qual o artista viria a concluir sua grande obra pessoal: a Igreja Nossa Senhora da Boa Morte.

A obra da Igreja foi entregue em 26 de junho de 1855 e para o deleite do artista, a Câmara, atendendo a seu pedido, reparou a rua por onde passaria a procissão que levaria o Santíssimo Sacramento e a imagem da Nossa Senhora da Boa Morte para a Igreja recém inaugurada (fato que se deu no dia três de setembro deste mesmo ano).

Após sua morte, Miguelzinho dói sepultado na Igreja da Boa Morte.

Infelizmente, no dia 25 de janeiro de 1891, um terrível incêndio atingiu o Colégio Assunção que fica ao lado da Igreja e o mesmo foi totalmente destruído. Na reconstrução do Colégio, o novo arquiteto, um italiano de sobrenome Borelli, incluiu em seus planos a demolição da Igreja e com a permissão das irmãs, a grande obra pessoal de Miguelzinho Dutra foi reduzida a pó e então reconstruída.

Além dessa importante Igreja, Miguelzinho viajou pelo interior do estado de São Paulo para executar outras obras encomendadas a ele. Sabe-se que ele esculpiu imagens para as Igrejas Nossa Senhora da Crucificação (Limeira) e São Benedito (Capivari). Em 1854 trabalhou como projetista da matriz de Rio Claro.

Deixe um comentário