Projeto Mãos que Salvam completa um ano de implantação

Foto: Fernanda Schmidt

Foto: Fernanda Schmidt

O projeto Mãos Que Salvam, que capacitou 1.457 profissionais, como professores, merendeiros, auxiliares de ação educativa, escriturários e outros da rede municipal de educação para agirem em situações de engasgo e parada cardíaca no adulto e na criança, completou um ano de implantação em novembro. A realização é do Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho (SESMT) da Secretaria Municipal de Educação (SME), em parceria com a Faculdade Anhanguera.

A apresentação do relatório com as atividades desenvolvidas neste primeiro ano aconteceu ontem, 13/12, pela manhã, no anfiteatro da SME, e contou com a presença do diretor e do coordenador da faculdade de enfermagem da Anhanguera, Manoel Marcelo da Silva Francisco e David Richard Luzetti, respectivamente, além do cabo Guaracy Ribeiro Filho, representando o Corpo de Bombeiros de Piracicaba.

Durante o ano, foram ministradas 42 palestras e envolvidas 118 escolas municipais e também setores externos. O objetivo dos encontros foi treinar os envolvidos para que mantenham a calma e tenham a capacidade de aplicar os primeiros procedimentos de socorro até a chegada do Setor de Saúde do Escolar, do Corpo de Bombeiros ou do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) à unidade escolar em situações de perigo.

A elaboração do conteúdo abordado foi feita pela enfermeira Eliana dos Santos Paião Marinho, especialista em urgência e emergência pela Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein e professora e supervisora de estágio da Faculdade Anhanguera. De acordo com o técnico de enfermagem, que atua na SME, Ederson Luís Silva, a necessidade de implantação do projeto surgiu durante as palestras de primeiros socorros e noções de combate a incêndio realizadas em maio e julho do ano passado, quando apareceram relatos de professores que já tinham presenciado engasgo de crianças de berçário nas escolas de educação infantil.

Em razão disso, Silva enviou ao coordenador geral do SESMT, Rubens Cenci Motta, e à diretora de departamento, Edenise Giusti, uma solicitação de treinamento, rapidamente aprovada, também, pela secretária de Educação, Angela Jorge Corrêa.

A secretária Angela explica que as aulas foram elaboradas em uma linguagem simples para que todos entendessem de forma clara e objetiva todos os procedimentos necessários em situações de engasgo e parada cardíaca. “Num primeiro momento, os envolvidos assistiram as aulas teóricas. Em seguida, durante as aulas práticas, foram orientados por enfermeiros que auxiliaram nas simulações nos manequins adultos e infantil, adquiridos pela SME em 2015”, conta. As aulas práticas foram direcionadas pelos docentes do último ano de enfermagem da Faculdade Anhanguera, sob a supervisão da professora Eliana.

Por meio de uma pesquisa de satisfação, constatou-se que mais de 95% dos profissionais participantes relataram a importância de receber o treinamento, uma vez que proporcionou segurança e possibilitou uma atuação correta nas situações de engasgo e para cardíaca.

Deixe um comentário