Eterno Natal

Os textos de diferentes autores publicados nesta seção não traduzem, necessariamente, a opinião do site. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

nonameHouve uma vez um Natal e ele era um sonho. Todos os sonhos de Natal estavam dentro de mim e eu estava dentro deles, numa espécie de osmose espiritual, que revolucionou os elementos à minha volta e me levou ao êxtase sublime.

Nada aconteceu. Foi uma vertigem de nadas. Contudo, era um Natal que eu esperara com todas as minhas forças e ele não veio. A data chegou, mas o Natal não. Eu procurei pelos quartos da casa e não havia mais o que eu buscava. Ainda que o cheiro dos frutos e guloseimas natalinos ardesse nas minhas narinas.

Parando diante dos porta-retratos, das fotos dos meus lindos que já partiram, perdi-me entre as inúmeras recordações. Épocas em que o espírito natalino enchia nossa alma de alegrias. Meu pai e minha mãe no comando de tudo, pessoas amadas em volta de uma mesa maravilhosa. Vultos que hoje são lembranças de um passado tão belo e tão intenso!

Mas a festa singela que agora crescia dentro de mim possuía uma outra forma e era esta que eu buscava. Não mais o Natal das ceias e comidas fabulosas, dos doces e sobremesas fantásticas. Brindes, presentes, barulho, ruídos. Não. Às vezes, desenhamos uma noite natalina silenciosa dentro do nosso coração.

Então, meu peito ansiava apenas por um presépio que me trouxesse a manjedoura de palhas, o Menino envolto em panos, Jesus, Maria e José. Desejava ver os pastores e as ovelhinhas. O ambiente da noite fria no estábulo, a estrela-guia completando a cena tão doce. Desejei ardentemente esta doçura que se perdeu ao longo do tempo. Eu queria o próprio tempo.

Naquele momento tão íntimo, as lágrimas me trouxeram o que eu procurava. Meu pranto se transformou em pura fé. Caminhei pela estradinha até Belém, e o gramado que eu via era uma planície onde deitar a alma para repousar em verdes pastagens, como no Salmo 23.

Havia algo na bruma do tempo, uma gruta, talvez. Algo para se olhar de longe, intocável e sagrado.

Eterno Natal, não se perca mais de mim! Volte sempre, por favor. Seja para mim esta data em que me recolho para pensar em Deus e naqueles a quem amo de todo o meu coração.

Nos que já partiram, mas se tornam cada vez mais presentes.

Neste Natal, quem tiver condições de sair distribuindo panetones e brinquedos, que o faça. Haverá mil mãozinhas à espera deles. Se for possível pedir perdão ou perdoar alguém de modo especial e, se houver a reconciliação, este será certamente um feliz Natal.

Quero lhe dizer: eu gosto de você, caro leitor. Mas não sei muito bem quem você é; não sei como vive; o que pensa da vida e do mundo. Se quiser me contar, estou aqui. Gosto de você e não quero amá-lo só porque é Natal. Que seu coração se encante em todos os dias do ano.

Eis que nos encontramos neste espaço e para mim é uma honra e um privilégio. Este Natal agora é eterno e ilumina meu caminho, minha estradinha até Belém. Eu o encontrei e não vou perdê-lo jamais! Feliz Natal!

Deixe um comentário