Tragédia anunciada

Os textos de diferentes autores publicados nesta seção não traduzem, necessariamente, a opinião do site. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

santa-maria-tragedia-6A ocorrência trágica deste fim de semana em Santa Maria, sábado,26/01, distante 300km de Porto Alegre, uma cidade universitária povoada por jovens estudantes, levou o país a uma comoção geral e estupefata, atestando mais uma vez uma irresponsabilidade imperdoável. Nosso poder público, incluindo o prefeito e autoridades ligadas à segurança, os proprietários de estabelecimentos de diversão pública, é realmente deficitário em relação a uma cultura de segurança e de prevenção contra acidentes previsíveis como o ocorrido. Uma casa de diversões com uma única e estreita porta, abrigando perto de duas mil pessoas não deveria jamais ter o alvará necessário para funcionar.E, lamentavelmente , em todo o país, esta situação deficitária é comum. Não há fiscalização, não há prevenção, não há exigência quanto à programação a ser apresentada.

Revoltante, inadmissível e doloroso constatar tanta ignorância, tanta ausência de bom senso, tanta frieza, tanto interesse e ganância, em face do que seria perfeitamente previsível de acontecer. Em se tratando de vidas humanas, vidas preciosas, o que aconteceu em Santa Maria deveria suscitar uma reação coletiva de nossas comunidades,em favor de novos direcionamentos e decisões drásticas e urgentes no sentido de prevenir que acontecimentos como este se repitam.De longe, assistindo aos noticiários, foi difícil acompanhar tanta dor, respaldada sempre pela solidariedade absoluta da população da cidade. E os depoimentos gerais de quem logrou sair foi o da absoluta estupidez dos responsáveis pela boate. Havia barras de ferro, obstruindo a passagem em direção à bilheteria e, rapidamente a fumaça do recinto, fechado completamente, também impediu a visibilidade, provocando o desespero geral.

Aconteceu e pronto. O irremediável não vai restituir tantas vidas em flor que, em busca de uma distração, estão mortas, brutal e inexorávelmente. Uma tragédia que vai demandar muito tempo para ser esquecida. Embora se deva ressaltar como fator bastante positivo, esta mobilização solidária que constitui a matéria prima da formação brasileira. Só falta agora, unir a esta solidariedade, uma ação definida tendo em vista uma revisão na legalização, na emissão de alvarás e nas condições de funcionamento dos locais de diversão pública, inclusive os da pirotecnia em ambientes fechados, afim de que tragédias como esta não se repitam.

Deixe um comentário