Um predestinado Gustavo Alvim

O retorno de Gustavo Jacques Dias Alvim à reitoria da Unimep – da qual é vice-reitor – tem, em meu entender, um simbolismo altamente significativo para aquela universidade e para Piracicaba. Sucedendo ao reitor Clóvis Pinto – que se afasta por motivos pessoais e sem crises institucionais – Gustavo Alvim faz com que possamos acreditar – ou pelo menos eu – em predestinação. É como se Gustavo Alvim tivesse vindo ao mundo para servir a Igreja Metodista e a Unimep, ou como se a Igreja Metodista tivesse aguardado Gustavo Alvim para fazer existir a Unimep. Há um cordão umbilical inseparável. De confiança, de fidelidade, de idealismo mútuos, que, por outro lado, se vinculam integralmente a Piracicaba.

Tenho a alegria e a honra de ser amigo de Gustavo Alvim já há 50 anos, desde a nossa juventude. Acompanhamo-nos ao longo da vida, embora por estradas diferentes, em busca, porém, de objetivos semelhantes, todos eles impregnados por um sonho de humanismo. Pode ser que exista, mas desconheço alguém, em Piracicaba, com o currículo e a folha de serviços de Gustavo Jacques Dias Alvim. Não apenas na Universidade, mas junto à sociedade piracicabana nos mais diversificados setores, nas mais diferentes áreas. Na política, no esporte, em grandes empresas, no magistério, na universidade, na academia, em clubes de serviço, na Igreja Metodista à qual sempre foi fiel sem, no entanto, deixar de lado o seu espírito ecumênico, de universalidade humanística.

Se Gustavo Alvim não nasceu com a Unimep, a verdade é que a Unimep nasceu com ele. Fui testemunha – agora histórica – daquele início. Foi quando, teimosamente, o Reverendo Chrysantho Cesar insistiu em criar uma universidade, começando com a primeira sementinha: a Faculdade de Economia, Ciências contábeis e Administração de Empresas(ECA). Parecia sonho de um maluco, mas era o olhar de um visionário. Não havia recursos nem materiais nem humanos. Chrysantho César foi buscar o então jovem sociólogo e advogado – que, depois seria jornalista e sei lá mais que outros diplomas – Gustavo Alvim, no Banco do Brasil. Gustavo aceitou. E começou a escolher companheiros para formar o corpo docente.

O primeiro exame vestibular aconteceu no exato dia do golpe militar: 31 de março de 1964. Eu estava entre os que buscavam uma vaga na nova faculdade. Fomos um grupo especial de alunos devido à idade e a posições que já ocupávamos na sociedade piracicabana: jornalistas, contabilistas, advogados, empresários. E Gustavo Alvim – mais jovem do que muitos dos primeiros alunos – lá estava no comando da nau que se lançava ao mar desconhecido. Depois, instalou a Faculdade de Direito, da qual foi o primeiro diretor. De aluno, tornei-me seu substituto na cadeira de Filosofia da ECA. E ele já enveredava pelo jornalismo, aliás desde quase a sua adolescência.

Na realidade, não estou tentando descrever a trajetória profissional e pessoal de Gustavo Alvim, algo impossível de ser feito em uma simples croniqueta. Minha intenção é a de revelar o que me parece ser, agora, uma certeza: Gustavo Alvim é um homem que foi predestinado a ser o guardião da Unimep e um fidelíssimo membro da Igreja Metodista. Quem ganha com isso é Piracicaba, que tem aquela univeridade como sua e que, com Gustavo Alvim com sua predestinação, é, também, guardião e ponte desse vínculo indissolúvel da instituição com Piracicaba.

Com Gustavo Alvim, as verdadeiras fundações da Unimep – construídas há cerca de 50 anos – ficam ainda mais resguardadas para o futuro auspicioso que se desenha para a universidade, a partir da administração lúcida de Clóvis Pinto, a quem Piracicaba deve render seus respeitos e gratidão. Permito-me uma imagem final: Gustavo Alvim é como um anjo da guarda da Igreja Metodista e da Unimep. Quando hesitações, problemas e dificuldades surgem, ele é chamado. E atende. Assim seja também agora. Pois é um homem que nasceu para servir. Bom dia.

3 comentários

  1. Marisa Bueloni em 16/11/2012 às 21:23

    Parabéns, Cecílio, pelo texto celebrando a atuação do nosso querido amigo Gustavo Alvim junto à UNIMEP.
    Gustavo Alvim é um nome que dignifica a nossa cidade. Um homem que nasceu para servir, isso mesmo. Um homem simples, humilde, mas de uma elegância a toda prova, dr. Gustavo é uma unanimidade no coração dos piracicabanos!
    Um abraço da Marisa Bueloni

  2. HELENA NARDI em 26/11/2012 às 14:00

    parabéns professor GUSTAVO DEUS abénçõe e de sabedoria em tudo. com carinho um grande abraço HELENINHA.

  3. Cássio T em 23/07/2017 às 12:44

    Caro Gustavo Jacques,
    Uma vida inteira passou desde que por breve período fomos vizinhos à rua Treze de Maio, onde organizávamos campeonatos de futebol de botão e V. já manifestava os dotes de organizador. Ficou uma amizade sempre lembrada de minha parte e, mesmo fora de Piracicaba, acompanhava sua carreira. A última conversa que tivemos foi no banco do Jardim do Grupo em que tratávamos da dificuldade de escolher uma profissão, eu mais ou menos definido já em Ribeirão Preto. Agora, ambos já experientes da vida, lembranças da infância reverberam em nossa memória e V. faz parte dela.
    Um grande abraço de admiração,
    Cássio Ruas de Moraes
    Médico, filho do Dr. Tito Gomes de Moraes
    Radicado em Ribeirão Preto, mas para sempre piracicabano.

Deixe um comentário