A 400.000ª visitação.

A comunicação através da Internet é uma realidade de tal forma consolidada e, ao mesmo tempo, cada vez mais espantosa que, mesmo já incorporada aos hábitos da grande maioria das pessoas, deve exigir reflexões ainda mais profundas. Pois é uma revolução das mais transformadoras de quantas a humanidade já presenciou. E, também, das mais perigosas. No entanto, consegue realizar aquele que foi sonho de todos os que almejaram sociedades mais igualitárias: a democratização da informação, o acesso às mais diversas fontes, opiniões e sistemas. Informar deixa de ser privilégio de poucos. E ter informação passa a ser, realmente, direito de todos.

Quando, há pouco mais de 10 meses, demos início ao atual sistema de A PROVÍNCIA, tínhamos certeza de ter ingressado não apenas num universo mágico, mas o de ter ingressado numa realidade sem retorno. Houve descréditos e tolices que sempre surgem em momentos decisivos de transformação. Muitos confundiram o real com o ilusório, como se a era digital em que o mundo mergulhou com velocidade impressionante fosse algo irreal. É o novo mundo, que não anula e nem dispensa o que existe, pois a humanidade caminha a partir de sua própria história. Não há novo sem memória. E foi isso que entendemos desde o primeiro momento em que nos lançamos a essa empreitada formidável que é o jornalismo eletrônico, a comunicação eletrônica. A PROVÍNCIA, por paradoxal pareça, é um símbolo vivo da tradição num universo digital. Pois tradição é herança, entrega, transmissão. E, no universo da internet, é isso que A PROVINCIA faz: entregamos, a todos, a herança da memória piracicabana, com recursos e sistemas atuais, sem nos descuidarmos da atualidade, dos acontecimentos do cotidiano.

Houve e ainda deve haver tolos que pensaram pudessem impedir a livre circulação de A PROVÍNCIA, usando as mais tolas e as mais vis formas de pressão. Não perceberam que o jornalismo eletrônico é ainda mais poderoso porque consegue se manter também ainda mais independente. E é ainda mais eficaz pela rapidez com que circula, pelo alcance que tem, pela irradiação por assim dizer virótica que se manifesta. É multiplicador, impossível de ser avaliado, como uma pluma que se solta ao ar e não mais se sabe para o vento a leva. Daí, a sua profundidade e, também, o seu perigo, pois a comunicação será sempre perigosa quando em mãos irresponsáveis. E este não é o caso de A PROVÍNCIA, um veículo comprometido com sua terra e com sua gente, visceralmente envolvido com os mais altos interesses de Piracicaba. Por ser e ter memória, A PROVÍNCIA tem mais condições de avaliar e de apreciar. Por já ter visto, é capaz de entender o que se vê. E, por isso, entrega a herança de nossa história, querendo-a atual e permanente em seus princípios.

Quando recebemos, por volta das 14h. do dia 25/06, a nossa 400.000ª visitação – um número de visitas equivalente a uma cidade de porte médio – ficamos não apenas agradecidos por esse convívio, mas ainda mais conscientes de nossa responsabilidade. Aos que não acreditaram ou que tentam ignorar, 400.000 visitações falam por si mesmas.

Deixe um comentário