40º Salão de Humor de Piracicaba recebe visitas até 20 de outubro

O Salão Internacional de Humor de Piracicaba, que completa 40 anos em 2013, fecha suas portas no próximo domingo, 20 de outubro, no Engenho Central. A mostra reúne 442 desenhos que provocam o riso e convidam a refletir por meio de caricaturas, charges, cartuns e histórias em quadrinhos. A entrada é gratuita.

Criado como crítica ao regime militar, o Salão reúne trabalhos de 64 países que até os dias atuais evidenciam seu caráter político. As obras foram selecionadas entre as 4.180 enviadas por 966 artistas. A mostra principal fica no Armazém 14 do Engenho Central, aberto de terça a sexta-feira, das 14h às 18h, e sextas, sábados e domingos, das 10h às 20h.

As charges abordam a espionagem do governo americano, as redes sociais, os escândalos religiosos, a homofobia e os recentes protestos com os lemas O gigante acordou e Vem pra rua. “É uma arte inteligente, que denuncia as atrocidades humanas e nos faz pensar sobre valores essenciais ao homem moderno”, afirma a secretária da Ação Cultural, Rosângela Camolese.

Figuras da política como Dilma Rousseff, Barack Obama, Gilmar Barbosa e Marina Silva ganharam divertidas releituras por meio das caricaturas. É também vasto o hall de celebridades musicais: Caetano Veloso, Roberto Carlos, Dominguinhos, Lulu Santos, Freddie Mercury, Amy Winehouse e Michael Jackson.

 

O Salão também apresenta uma seleção de trabalhos com excelente nível técnico com o tema Futebol. Eles retratam Ronaldinho Gaúcho, Messi, Neymar, Pelé e Maradona, além de charges e cartuns que exploram assuntos polêmicos no mundo do gramado.

“Quem percorre a mostra se diverte com piadas genuínas, engraçadas e inéditas”, diz o cartunista Eduardo Grosso, diretor do Cedhu Piracicaba (Centro Nacional de Humor Gráfico), órgão responsável pelo Salão por meio da Semac. “É uma exposição acessível, com um humor muito próximo do público”, completa.

A obra de Goran Divac, da Sérvia, ocupa lugar de destaque na mostra. Ao produzir um desenho que remete ao alcoolismo, ele garantiu o primeiro lugar em Cartum e a honraria máxima do Salão, o Grande Prêmio Zélio de Ouro. É dele também a melhor charge, que aborda o fim dos jornais. Divac levou R$ 20 mil, de um total de R$ 47 mil em prêmios. A edição 2013 teve o Prêmio Saúde Unimed, concedido a Lézio Custódio Junior, de São José do Rio Preto (SP), por uma charge que critica o SUS (Sistema Único de Saúde).

ARMAZÉM 14 – No mesmo armazém que abriga a mostra competitiva, é possível visitar 12 exposições paralelas, que exploram diferentes formas de produzir o humor gráfico no mundo. É o caso de O Brasil em 40 Charges, com desenhos publicados na Folha de S. Paulo por conhecidos cartunistas brasileiros, e de Kosobukin – Cartunista do Mundo, feita em homenagem ao ucraniano Yuri Kosobukin, artista morto este ano e que obteve maior número de prêmios na história do Salão.

Os pequenos talentos estão representados no 11º Salãozinho de Humor, concurso nos mesmos moldes do tradicional evento, destinado a estudantes de 7 a 14 anos. Este ano a mostra contém 232 trabalhos e pode ser vista no Armazém 14A, onde está também a mostra Cuidando do Seu Caminho, da CCR AutoBAn.

No próprio Engenho Central está em cartaz a mostra Três Lápis para Desenhar, na sede do Cedhu Piracicaba. Nela estão desenhos dos cartunistas António Antunes, presidente do World Press Cartoon, Carlos Brito e Marlene Pohle, vice-presidentes da Feco (Federação Internacional dos Cartunistas). Eles fizeram parte do júri de premiação do Salão de Humor, ao lado de Zélio e Ciça Alves Pinto, Roberto Negreiros e Luciano Magno.

Iniciativa de intelectuais de Piracicaba – entre eles o publicitário e jornalista Carlos Colonnese, presidente desta edição – o Salão de Humor foi abraçado por artistas do jornal O Pasquim, como Millôr Fernandes, Jaguar, Fortuna, Henfil, Paulo Francis, Zélio e Ziraldo. Desde a sua criação, tornou-se vitrine para grandes profissionais do cartunismo e humor brasileiros como Laerte Coutinho, Angeli, Glauco Villas Boas e Alcy Linhares.

Deixe um comentário