TEATRO MUNICIPAL: um sonho que nasceu com Luciano

Eram 21 horas de um dia 19 de agosto. Sobre a cortina e surge Ivan Lins cantando “Somos todos Iguais Nessa Noite”. Dividindo o palco com ele, cerca de 100 operários que ajudaram a construir a obra e para quem a noite era dedicada. Pois, um pouco antes, o ator Othon Bastos declamou o poema de Vinícius de Moraes “Operário em construção”, seguido pelo Hino de Piracicaba cantado pelo seresteiro Cobrinha.

Era o ano de 1978, e Piracicaba acabava de inaugurar seu teatro Municipal.

Estava concretizado um sonho antigo, mais especificamente, de 13 anos de idade. Porque foi em 1965, que o então prefeito Luciano Guidotti autorizava o município a adquirir uma área de 3.352 metros quadrados para a construção de um teatro.

A obra estava inserida na proposta de administração de Guidotti de desenvolvimento para a cidade, ao mesmo tempo em que viria a preencher a lacuna deixada pelo Santo Estevam, que foi demolido em 1953.

O projeto arquitetônico foi colocado em concurso, vencido pelos arquitetos Luiz Guilherme Savoy e astro e Henrique Bergamin Filho.

GRANDIOSIDADE

O Teatro Municipal nasceu para resgatar Piracicaba de uma fase de marasmo cultural. A cidade já estava há mais de uma década órfã do Santo Estevam.

Assim, o plano de Guidotti visava à grandiosidade. Procurava oferecer conforto a enormes companhias teatrais, com elencos numerosos, grandes camarins, sala principal, hall de entrada, projetados com decoração sofisticada. O palco deveria ser de fabricação alemã, elevadiço, planejado para eventuais movimentações de cenários e arrojadas marcações de cena.

Porém, os planos tiveram que se interrompidos. A precariedade de condições financeiras teve como consequência a paralisação das obras.

Por muitos anos totalmente parada, a obra transformou-se num “elefante branco”, comprometendo a imagem cultural de Piracicaba.

A RETOMADA: o Teatro só começou a ser retomado na primeira gestão de Adilson Maluf, quando o secretário de Obras Urbanas era João Herrmann Neto…

* CONTINUA

Deixe um comentário