O movimento operário no interior paulista (4)

O desenvolvimento dos movimentos grevistas em Piracicaba

capa-jornal-Avanti

Capa jornal Avanti, edição de 1º de Maio de 1901, São Paulo. (imagem: reprodução)

1919

A greve geral de 1919 teve ares bastante distintos daqueles verificados no município durante a greve dois anos antes. Quando, no início do mês de maio, os operários começaram a distribuir panfletos pela cidade, projetando a possibilidade de uma nova paralisação, a polícia logo interveio e fez circular um boletim proibindo as reuniões operárias em praça pública, sob ameaça do uso da força.48 Todavia, o medo não foi maior que o desejo de mudança e, no dia 17 de maio, trabalhadores do Engenho Central, da Fábrica Arethusina e da Casa Krähenbühl decidiram não trabalhar até que melhores condições de trabalho fossem impostas às fábricas. Ainda não era uma greve geral, apenas algumas categorias decidiram lutar por melhores salários e, ao longo daquele primeiro semestre, negociações se arrastaram entre patrões e empregados.49

Primeiro foi a fábrica de tecidos que aceitou a reivindicação de aumento de 15% no pagamento do seu pessoal.50 Quase uma semana depois, os trabalhadores do Engenho Central conquistaram um aumento nos seus ordenados.51 Nada foi relatado na imprensa sobre os demais estabelecimentos, mas, aparentemente, todas as indústrias da cidade funcionavam normalmente no advento do sexto mês do ano. A calmaria, no entanto, não durou muito tempo. Isso porque, em julho, os trabalhadores da Estrada de Ferro Sorocabana decidiram cruzar os braços na capital paulista e, logo, as notícias da paralisação não apenas chegaram em Piracicaba como também os ferroviários do município se insuflaram contra suas precárias condições de trabalho.52

No segundo dia do mês de julho, maquinistas, foguistas, telegrafistas e outros empregados abandonaram seus postos de trabalho na estação da Sorocabana em Piracicaba.53 Os grevistas pediam 30% de aumento salarial e a jornada de 8 horas de trabalho diário. A essa altura, a Liga Operária de Piracicaba já possuía uma sede social, localizada na rua Prudente de Moraes, na qual os ferroviários piracicabanos passaram a se reunir.54 O clima na cidade começou a ficar ainda mais tenso quando, no dia 4 de julho, foram arrancados trilhos no quilômetro 232. Foi nesse dia que os operários de todos os estabelecimentos industriais do município decidiram se solidarizar com os camaradas da Estrada de Ferro, declarando a parede geral; e, também, com o objetivo de lutar mais uma vez pela redução das exaustivas horas de trabalho e por 25% de aumento no ordenado para aqueles que não haviam obtido adição na greve de maio. 55 

A situação na região era calamitosa para a elite piracicabana que estava habituada a viajar e a ver sua produção escoada para as demais regiões do estado. No início daquele mês de julho, os trens da capital não partiram e o percurso de Piracicaba até Jundiaí também estava interditado.56 A imprensa e a polícia passaram a atuar em franca comunhão, e logo tomaram as páginas do jornal as atuações e os avisos do delegado da cidade – o senhor Djalma Goulart – de repressão ao movimento paredista.57 Dia 5, os estabelecimentos amanheceram fechados e alguns dos poucos comerciantes que se arriscaram a abrir acabaram por fechar as portas mais cedo, pois a cidade se encontrava em clima de greve geral.58

Ao cair da noite do quinto dia do mês de julho, um grupo de operários se dirigiu à empresa Bragantina e cortou os fios telefônicos responsáveis por fazer a comunicação de Piracicaba com São Paulo e também com outras pequenas cidades ao redor do município. O objetivo era claramente evitar que chegassem reforços para a polícia municipal que já vinha, por meio de boletins, ameaçando usar a violência para conter a greve. A ação do grupo desencadeou grande onda de repressão e naquela mesma madrugada foram efetuadas prisões de alguns líderes operários.59 A partir desse momento, começou uma verdadeira “caça às bruxas” na imprensa piracicabana. Dia a dia foram publicadas matérias sobre o inquérito policial aberto contra trabalhadores da Liga Operária, que vinham organizando o movimento paredista.60

Após a prisão de alguns acusados, operários se reuniram em frente à cadeia municipal, a fim de exigir a liberdade dos companheiros.61 O Jornal de Piracicaba, no entanto, defendeu a necessidade da punição, afirmando ter havido entre os operários presos a intenção de saquear o comércio local. Para a imprensa e para o delegado, haveria uma articulação das lideranças grevistas no sentido de evitar que polícia obtivesse reforços, objetivando assaltar os estabelecimentos do município. A paralisação de centenas de trabalhadores pela jornada de 8 horas diárias cedeu espaço no grande jornal local para aquilo que os jornalistas chamaram de “Plano Bolchevista”.62 Alguns dos diretores da Liga Operária foram explicitamente perseguidos e dentre as acusações constavam: anarquismo, bolchevismo e maximalismo.63

De um lado, a Liga Operária de Piracicaba pedia para que os operários permanecessem unidos e não comparecessem ao trabalho; do outro, a imprensa fazia um apelo para que os trabalhadores não se deixassem levar por “agitadores anarquistas”.64 O fato é que, após o acontecimento na Bragantina, a mobilização grevista foi completamente desarticulada, ainda que, ao final, os trabalhadores tenham obtido algumas vitórias. Após dez dias de paralisação ininterrupta dos trens, a Companhia Sorocabana de Estrada de Ferro decide atender às reivindicações dos seus trabalhadores e concede aumento salarial de 25% e a jornada de 8 horas de trabalho.65 A fábrica de tecidos Arethusina também se comprometeu com o aumento do ordenado e a redução da carga horária de labor, mas pouco ou nada foi escrito na imprensa local sobre os outros estabelecimentos que, no dia 10 de julho, funcionavam normalmente.66

O término do movimento paredista em 1919 não significou, no entanto, o fim das perseguições às lideranças grevistas em Piracicaba. Após a greve, durante dias, a imprensa estampou nomes dos acusados de terem participado do ato na Bragantina. Os operários Ângelo Bragaia, Paulo Antônio e João Felício ficaram marcados nas páginas dos jornais como delatores67 e Mario Passini foi acusado de ser o cabeça do plano. O periódico qualificou Mario Passini como o “terrível secretário da Liga Operária”68 e o inquérito policial aberto contra ele, assim como recortes do jornal A Tarde, aparentemente o único que se posicionou ao lado dos trabalhadores naquele evento, ainda podem ser consultados em um arquivo da cidade.69

referências

48. Jornal de Piracicaba, Piracicaba, 13 maio 1919. Biblioteca Municipal de Piracicaba, Piracicaba, SP.

49. Jornal de Piracicaba, Piracicaba, 17 maio 1919. Biblioteca Municipal de Piracicaba, Piracicaba, SP.

50. Jornal de Piracicaba, Piracicaba, 25 maio 1919. Biblioteca Municipal de Piracicaba, Piracicaba, SP.

51. Jornal de Piracicaba, Piracicaba, 1 jun. 1919. Biblioteca Municipal de Piracicaba, Piracicaba, SP.

52. Jornal de Piracicaba, Piracicaba, 2 jul. 1919. Biblioteca Municipal de Piracicaba, Piracicaba, SP.

53. Idem.

54. Jornal de Piracicaba, Piracicaba, 4 jul. 1919. Biblioteca Municipal de Piracicaba, Piracicaba, SP.

55. Jornal de Piracicaba, Piracicaba, 5 jul. 1919. Biblioteca Municipal de Piracicaba, Piracicaba, SP.

56. Jornal de Piracicaba, Piracicaba, 1 jul. 1919. Biblioteca Municipal de Piracicaba, Piracicaba, SP.

57. Jornal de Piracicaba, Piracicaba, 9 jul. 1919. Biblioteca Municipal de Piracicaba, Piracicaba, SP.

58. Idem.

59. Ibidem.

60. Jornal de Piracicaba, Piracicaba, 11 jul. 1919. Biblioteca Municipal de Piracicaba, Piracicaba, SP.

61. Jornal de Piracicaba, Piracicaba, 9 jul. 1919. Biblioteca Municipal de Piracicaba, Piracicaba, SP.

62. Jornal de Piracicaba, Piracicaba, 12 jul. 1919. Biblioteca Municipal de Piracicaba, Piracicaba, SP.

63. Jornal de Piracicaba, Piracicaba, 17 jul. 1919. Biblioteca Municipal de Piracicaba, Piracicaba, SP.

64. Jornal de Piracicaba, Piracicaba, 11 jul. 1919. Biblioteca Municipal de Piracicaba, Piracicaba, SP.

65. Jornal de Piracicaba, Piracicaba, 10 jul. 1919. Biblioteca Municipal de Piracicaba, Piracicaba, SP.

66. Jornal de Piracicaba, Piracicaba, 11 jul. 1919. Biblioteca Municipal de Piracicaba, Piracicaba, SP.

67. Jornal de Piracicaba, Piracicaba, 16 jul. 1919. Biblioteca Municipal de Piracicaba, Piracicaba, SP.

68. Jornal de Piracicaba, Piracicaba, 13 jul. 1919. Biblioteca Municipal de Piracicaba, Piracicaba, SP.

69. Ver: Processo-crime de Mario Passini, no Acervo Judiciário do Centro Cultural Martha Watts, em Piracicaba, SP.

(continua)

Para conhecer o artigo completo, acompanhe a TAG Greves Piracicaba.

*Fabiana Ribeiro de Andrade Junqueira é doutoranda em História Social pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Graduada e Mestre em História pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). ORCID: https://orcid.org/0000-0003-3431-6188. E-mail: [email protected]

[Este artigo foi publicado em revista da UFSC – Universidade Federal de Santa Catarina: Mundos do Trabalho, Florianópolis, v. 12, p. 1-21, 2020 | e-ISSN: 1984-9222 | DOI: https://doi.org/10.5007/1984-9222.2020.e74220 ]

Deixe uma resposta