Colocar ou não silicone nos seios?

Atualmente, não é difícil vermos por aí – seja na TV, seja no nosso dia a dia – mulheres que colocaram silicone nos seios, a fim de deixá-los maiores ou, simplesmente, com um formato mais “bonito”.

Apesar da cirurgia para colocação de silicone, hoje, ser bastante conhecida, algumas pessoas ainda têm dúvidas sobre o assunto: qualquer mulher pode optar por aumentar os seios? Quais são os riscos do procedimento? O que levar em consideração antes de tomar a decisão?

Outro ponto que gera bastante dúvida diz respeito à idade: a partir de quantos anos uma menina/mulher pode optar por colocar silicone nos seios?

Victor Hugo Lara Cardoso de Sá, cirurgião plástico especialista pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), com especializações em Cirurgia Geral e Cirurgia Plástica pela FMABC e professor da disciplina de Cirurgia Plástica da FMABC, explica que a cirurgia de prótese de mamas pode ser realizada após o término do crescimento da paciente, caracterizado pela primeira menstruação (menarca). “Entretanto, enquanto a paciente for menor de idade, ela deve obrigatoriamente ter a autorização dos pais por escrito (de ambos – pai e mãe)”, diz.

Quando a mulher deve optar por fazer uma cirurgia para colocar silicone nos seios?

De acordo com o cirurgião plástico, a decisão por realizar qualquer procedimento deve sempre partir da paciente. “A função do médico é avaliar se esse desejo inicial pode ser realizado, esclarecer os riscos envolvidos e as possíveis complicações”, explica.

As queixas mais frequentes que levam as pacientes a procurarem um cirurgião plástico para colocação da prótese de mama são: mamas pequenas (hipomastia) e queda da mama (ptose). “Nos casos em que as mamas são pequenas, ou quando a queda é pequena, somente a colocação do implante mamário de silicone pode ser suficiente”, explica Victor Hugo de Sá.

“Já nos casos de quedas maiores das mamas, pode ser necessário realizar a cirurgia de elevar as mamas (mastopexia), que pode ser associada à colocação do implante, e que deixará cicatrizes ao redor da aréola, vertical e horizontal (T invertido) nas mamas”, acrescenta o cirurgião plástico.

A cirurgia e o período de recuperação

O cirurgião Victor Hugo de Sá explica que a cirurgia de aumento das mamas pode ser realizada através de três incisões principais: axilar, periareolar e sulco mamário. “A mais realizada é a última. O implante pode ser introduzido abaixo do músculo peitoral maior, ou abaixo da glândula mamária, dependendo do exame físico e história da paciente”, diz.

O médico destaca que a recuperação pós-operatória envolve: o uso de sutiã cirúrgico por 30 a 60 dias; restrições de movimentos dos braços para atividades corriqueiras (pentear cabelo, elevar os braços, pegar peso, dirigir etc.) por volta de 30 dias; restrições para atividades físicas por volta de 90 dias e a necessidade de se evitar tomar sol.” Lembrando que cada paciente deve ser avaliada individualmente e seguir as orientações de seu cirurgião”, explica.

Cuidados necessários

Antes de realizar qualquer procedimento cirúrgico, a paciente deve procurar um cirurgião habilitado em sua especialidade, através da conferência de seu registro junto à respectiva sociedade de classe. Na Cirurgia Plástica, esse registro é realizado pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP – www.cirurgiaplastica2.org.br) e no Conselho Regional de Medicina do seu Estado. “Além disso, é muito importante confiar e se sentir confortável para conversar e tirar suas dúvidas com seu cirurgião”, destaca Victor Hugo de Sá.

Após a cirurgia, o mais importante é seguir as recomendações do seu médico. “Vale ressaltar que o cuidado pós-operatório é parte importantíssima no resultado cirúrgico”, finaliza o cirurgião plástico.

1 comentário

  1. Milene antonio em 20/07/2015 às 09:07

    Adoraria por fui mae muito cedo e as minhas mamas cairam..

Deixe um comentário