Leite de pedra

Os textos de diferentes autores publicados nesta seção não traduzem, necessariamente, a opinião do site. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

download

Chove pra valer no Brasil quase todo menos no Sudeste; São Paulo está com a língua pra fora. Parece que até São Pedro está com o saco cheio desse governo e insinua ao povo paulista que é hora de mudar. Essa turma já fez o que sabia fazer. Seu interesse agora é manter-se no poder mesmo sem propostas consequentes e sustentáveis. O momento é de arriscar mentalidades abertas aos novos tempos.

O Estado de São Paulo é governado pelos mesmos há 20 anos. Trata-se de um partido esgotado em idéias e liderança; que envelheceu dada sua característica centralizadora e por ser dominado por caciques, preocupados mais com o próprio ego e privilégios que com a nova ordem das coisas. Gratos, senhores pelo que fizeram. Descansem, vão brincar com os netos e bisnetos. Existe vida além de partido político.

Além do mais, é um partido que quando no governo se serve de metodologia previsível; nunca se antecipa aos fatos; está sempre a reboque porque seu projeto não se alicerça em pesquisas e diagnósticos bem fundamentados. Arrogante, despreza a pessoa e o conhecimento acumulado de servidores de carreira. Não ouve o setor acadêmico nem a sociedade organizada. Não governa com, mas para o povo.

Acha que o desenvolvimento econômico é a única saída. Portanto, sem dinheiro não sabe governar por achar que tudo tem preço, até as pessoas. Não acredita que “A redução das desigualdades contribui mais para o bem-estar que o crescimento”. (André Lara Resende, escritor). Não se faz redução de desigualdade com remendos, mas com justiça social, relações positivas e lideranças de estadistas. Não adianta esticar um governo que corre até bem, porém na direção errada.

Nenhum governo bem intencionado consegue mudanças mimando a população, ratificando comportamentos inconsequentes e apagando incêndios. Não as massas, mas o povo consciente tem a “certeza na frente e a história na mão”; quer opinar, participar e sentir-se respeitado. Se os senhores não têm faro para perceber os sinais dos tempos, saiam da frente porque temos talentos aguardando oportunidade. Não venham com discursos em ritmo gregoriano e cheios de metáforas impressionistas. Não colam mais.

As manifestações ordeiras do ano passado e a fidalguia demonstrada pela população durante a Copa do Mundo mostram seu amadurecimento; vocês não percebem porque têm ojeriza à plebe. Continuam tirando coelhos das cartolas a fim de ganhar aprovação das massas avessas ao raciocínio. O cidadão só quer um Estado que funcione, políticos honestos e se não tiver para todo mundo não deve ter pra ninguém.

Não dá mais para aguentar governos que em vez da saúde cuidam da doença por dar mais visibilidade e virar mais dinheiro. Que, para agradar a reacionária e tosca elite paulistana, se pudesse encheria as ilhas do litoral de shoppings e aplainaria a Serra Do Mar para dar vazão à manada estressada que nos feriados enfrenta quilômetros de congestionamentos para se esnobar na praia e encher o litoral de lixo. Que detona a natureza para esticar e duplicar rodovias porque não investiu em ferrovias e transporte coletivo. Que asfalta várzeas e garroteia córregos para agradar gente que usa carro até para ir à padaria. Que, após sucatear a segurança pública e deixar as cadeias à deriva, alicia com abonos policiais que controlarem o crime em suas áreas de atuação. Fazem o mesmo com professores, com pessoal da Saúde, da Assistência, etc. muitos dos quais trabalham doentes ou protelam ao máximo a aposentadoria porque o maldito abono acabou incorporado à renda. Que, desdenhando recomendações técnicas, não cuidou da água, levando o Estado à beira de uma crise hídrica sem precedentes.

Liga-se, povo paulista. Quer tirar leite de pedra?

Deixe um comentário