O país da esperança

Os textos de diferentes autores publicados nesta seção não traduzem, necessariamente, a opinião do site. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

unnamedO Brasil já foi um pouco de tudo. Já foi o país do futuro, do milagre brasileiro, o país que vai pra frente, enfim, a nação da eterna esperança…

Nós, cidadãos brasileiros, amamos esta terra, nossa gente, nossa cultura e desejaríamos conhecer, de fato, a prometida era de grande prosperidade, aproximando-nos do nível social dos chamados países de primeiro mundo.

Há muitas décadas vivemos desta esperança. Ilumina-nos a ideia de um país onde haja oportunidade para todos, igualdade de direitos, cidadania respeitada, sobretudo para crianças, mulheres e idosos. E o trinômio de sempre: saúde, moradia e educação.

Por que a aposentadoria de um cidadão brasileiro é vista com tanto descaso pelos nossos governantes? O contribuinte trabalha uma vida inteira, esperando uma aposentadoria digna, com proventos suficientes para cobrir suas despesas. Perguntamos como sobreviverá um idoso aposentado sem moradia própria, tendo de pagar aluguel, comprar alimento, vestuário, remédios?

Haveria esperança para os milhões de aposentados brasileiros? A inflação está aí, ameaçando corroer os salários dos trabalhadores. Os preços sobem, os juros são altos, mas os proventos previdenciários são os mesmos para os aposentados, há décadas. O aumento anual é irrisório, vergonhoso.

Temos um “novo” governo? Deus queira que sim. Deus olhe por este lindo país, de clima tropical, com praias paradisíacas e um povo maravilhoso. Quem visita outras terras, volta dizendo que nada se compara ao calor do brasileiro, sua simpatia, sua generosidade, seu abraço acolhedor.

Que o “novo” governo saiba enxergar além do poder do Planalto, voltando seu olhar para o povo e suas necessidades, para as metrópoles que nem sempre estão preparadas para receber os que, a cada ano, deixam o campo e migram para os centros urbanos, na esperança de melhores condições de vida.

Assim, de esperança em esperança, vive a brava gente brasileira. Quantos governos prometeram “tirar as crianças das ruas”? Quantos prometeram mais escolas públicas e educação de qualidade? Quantos tiveram a preocupação com o saneamento básico e programas de auxílio aos estados e municípios, para que fossem feitas as obras necessárias? Foi lembrado, durante debates de campanha, que um grande contingente de brasileiros não possui um banheiro dentro de casa. Quando um governo sério e de palavra irá cumprir suas promessas?

Olho com enorme compaixão o jeito animado e alegre do nosso povo, da nossa gente. Contentam-se com tão pouco e, nos cinco ou seis dias de folia, brincam de príncipe, de rainha, na fantasia da vida, para voltar à luta de sempre, cheios de esperança.

Não podemos ser apenas o país do Carnaval, ou do samba, do futebol, que, aliás… Há muito, muito mais no povo e na cultura brasileira que poderá fazer deste país uma grande nação. Sobretudo, se tivermos um governante sensível, humano, inteligente, capaz de sentir na pele a esperança que, teimosa, renasce todos os dias…

Deixe um comentário