Precisa-se de profissionais multitarefas

Os textos de diferentes autores publicados nesta seção não traduzem, necessariamente, a opinião do site. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

multitarefa-thumb60019651

Empresas buscam profissionais com a capacidade de trabalhar cada vez mais em diversas áreas; valorização é maior e cargos geralmente são de liderança

Formação, preparação e especialização. Esse é o caminho para o sucesso de todo profissional, certo? Errado. O dinamismo e a globalização, que há tempos afetam o mercado de trabalho, contagiaram também os profissionais, seja qual for a área de atuação. Hoje, mais do que bom tecnicamente, a pessoa deve ter a capacidade de adaptação, gestão e desenvolvimento em todos os setores. Se o cargo for de liderança, a responsabilidade só aumenta e a necessidade de ser um multitarefas é cada vez mais requisitada pelas companhias.

O professor de Gestão de Pessoas e Liderança da IBE-FGV, Leandro Garcia, explica que o fenômeno tem sido cada vez mais comum nas empresas. Ele ressalta que, em gerações passadas, os profissionais eram estimulados a serem especialistas e buscar o máximo de informações ou conhecimentos sobre as suas áreas de atuação, especificamente. “Porém, com a estagnação do mercado em várias áreas, ficou impossível absorver toda mão de obra ofertada. E, para não serem atropelados pelo tempo, muitos profissionais tiveram que desenvolver outras atividades, acrescidas às suas competências técnicas específicas, apreendidas na graduação”, diz.

“Trata-se de uma nova tendência no mercado profissional, ligada aos avanços tecnológicos e à própria globalização que levam esta busca, atrelado ao fato das empresas otimizarem seus recursos através da tecnologia, processos e mão de obra onde a premissa, hoje, é fazer mais com menos”, explica.

Garcia destaca que outro ponto que contribuiu para a mudança nas empresas foi a chegada das novas gerações, as Y e Z, cada vez mais presentes e atuantes no mercado de trabalho em diversas funções, desde tática e operacional até os níveis mais estratégicos, em que a característica principal é a capacidade de lidar e realizar várias tarefas. “Essa geração cresceu sabendo manipular várias janelas no computador ao mesmo tempo, falando ao celular e ouvindo música. Situações como essa deram a eles uma capacidade enorme de gerenciar várias situações ao mesmo tempo, uma característica muito valorizada no mercado atual. Por isso, é cada vez mais comum pessoas jovens em cargos de liderança”, aponta.

Contudo, o especialista alerta que a habilidade de ser multitarefas não funciona em algumas posições. Segundo ele, o sucesso vai depender da atividade ou da área que o colaborador atua. Para pessoas que executam tarefas específicas, em que o grau de conhecimento deve ser aprofundado, quanto maior a especialização, melhor. O multiconhecimento, então, só terá efeito para quem trabalha em áreas dinâmicas, em que o cenário em constante mudança necessita de decisões rápidas e até mesmo imediatas, características muito presentes em cargos de liderança. “Na visão da empresa, independentemente da área, quanto mais o profissional estiver preparado e com o máximo de conhecimentos, maior o número de oportunidades e desafios que ele poderá assumir. Esses são os profissionais que vão liderar e não ser liderados”, diz.

 

Para ser multitarefa é preciso ter multiconhecimento

O profissional multitarefa deve ser constantemente estimulado a conhecer mais. Para isso, o requisito inicial é que o profissional possua uma visão geral da empresa e queira agir sempre pela equipe. Segundo Garcia, a multifuncionalidade não só é uma vantagem, mas uma meta que as empresas têm perseguido. ”Essa é uma mudança de cultura tanto para as empresas quanto para seus funcionários. Ela é uma exigência do mercado de trabalho, considerando que o profissional deve ter muito mais do que só o desenvolvimento de tarefas e funções pertinentes ao cargo, mas, principalmente, a capacidade de apreender novos conhecimentos e estar preparado para oferecer soluções aos diversos problemas enfrentados pela organização”, diz.

Um passo importante para se tornar um multitarefas é se envolver em projetos de outras áreas. “Não tenha medo de arriscar, o erro é o melhor ensino. Porém, a observação e planejamento são fundamentais para alcançar objetivos”, afirma.

 

Cinco passos para se tornar multitarefas

– Apenda mais: esteja sempre atendo a tudo que acontece e procure se informar de todos os processos

-Seja humilde: para aprender, é preciso ter muita humildade e aceitar correções com naturalidade

-Ouça mais: quem fala transmite, quem ouve absorve

-Seja bem humorado e comunicativo: pessoas com alto astral conquistam mais facilmente e conseguem convencer as outras a transmitir conhecimento

-Tente, erre, tende de novo: a melhor forma de aprender é com os erros. Use a criatividade e experimente, mas tenha cautela para não errar demais. Por isso, é bom seguir as outras orientações para sempre ter certeza do que está fazendo.

 

*Leandro Garcia, do IBE FGV.

Deixe um comentário