Quando setembro vier…

Os textos de diferentes autores publicados nesta seção não traduzem, necessariamente, a opinião do site. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Relato nesta crônica semanal, sem o menor pudor, a minha dor. Partilhar o sofrimento é uma forma gentil de provocar a identificação das pessoas. Ao abordar temas desta natureza, busco humanizar um pouco questões penosas ou complicadas. Até setembro chegar, serei paciente, na esperança de recobrar a boa visão da minha vista direita, que passou por uma intervenção cirúrgica recentemente, e cujo procedimento não foi bem executado.

Às vezes, precisamos de uns consertos na nossa máquina física. Nossos anseios, então, passam a ter consistência, meta, preparo e esforço na execução do que precisa ser feito. Pode ser algo sério e grave, inadiável, urgente, do qual depende nossa saúde e nossa vida.  Podem ser pequenos reparos dentários, dermatológicos, ou mesmo a comum cirurgia de catarata, que tantos fazem e nem percebem que fizeram.

O meu projeto de 2016 (feliz ano novo?) era este: operar a catarata da vista direita em 2017 e eliminar o embaçado que me causava profundo desconforto. Manter o equilíbrio visual com o olho esquerdo, que ainda vê muito bem, graças a Deus. Em junho, preparei-me para enfrentar algo  aparentemente simples.

Não tenho palavras para as mensagens recebidas, desejando-me boa sorte, quando informei aos amigos queridos da internet, pedindo orações. Algo me dizia que eu precisaria delas. Das orações. Continuo precisando. Não fui bem operada, a lente está incorreta, e será necessária uma correção deste quadro, num diferente procedimento. Tudo isso tem me tirado o sono, a paz, causando-me grande angústia e inquietação.

Sem lamúrias, porém. Espírito intrépido. Confiança! Agora tenho um novo sonho, forte e imperioso: corrigir o que deu errado, enxergar bem com a vista direita e eliminar o desconforto visual que tanto me incomoda. Espero setembro como o sertanejo espera a chuva. Setembro irá florir meu coração. Passei a me prometer isto, todos os dias, tão logo notei o erro médico. Segundo uma doutora da área oftalmológica, conhecedora do meu quadro, “foi uma infelicidade”…

Meu antigo oftalmologista fará uma nova biometria e, se tudo estiver bem, faremos a correção em setembro. Aguardo a data, com a devida apreensão e também com serenidade, na certeza de que nos sairemos bem. Se eu já rezava muito, fui tomada agora de um grande e renovado fervor na oração.

Digo-vos que há um peso na minha alma. Como qualquer pessoa o teria, nesta angustiante expectativa. Tenho um sonho em vias de se realizar. Está gestado em mãos habilidosas, competentes, comprometidas com o paciente. A paciente sou eu. Em todos os sentidos.

Deixe um comentário