Vote em mim

Os textos de diferentes autores publicados nesta seção não traduzem, necessariamente, a opinião do site. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Estamos num ano eleitoral. Ano interessante este de 2014. Tivemos uma Copa do Mundo (já passou?), que não foi lá essas coisas para nós, os brasileiros. Ui!… Melhor não tocar no assunto daquele fatídico 7 X 1. Vade retro!

Bem, amigos, vamos juntos pensar nas promessas de campanha. Você pode ir imaginando aí, com seus botões, o que é que os candidatos vão começar a dizer no horário político gratuito que amamos de paixão.

Confesso que assisto e tento ver quem está falando coisa com coisa, em bom português, apresentando propostas decentes ao eleitor. Vejo se alguém acena ao povo com políticas sociais sérias, animando-nos a sair de casa para votar.

Então. Vote em mim, caro eleitor, que vou acabar com todo tipo de conflito, nem que seja no grito, e com toda tristeza na face da Terra. Assim, Terra com T maiúsculo, que é para impressionar as almas. Calmas!… Tristeza não mais haverá e a alegria imperará por toda a parte, como um toque de mágica e de arte. Como vou fazer isso? Não sei. Apenas prometo. Vote na Tereza, ela acaba com a tristeza.

Você que está aí sofrendo com dívidas e contas. Ora, lontras! Eu serei para o meu eleitor um bravo lutador, do tipo radical. Prometo saírem rapidinho do cheque especial. Vote em mim, eu sou o Hilário, o rei do saldo bancário.

Meu amigo, se você está sofrendo de azia, má digestão, enxaqueca, cólica renal e hérnia de disco, sou pastor, venha para o meu aprisco. Suas dores acabaram! No meu mandato, ninguém mais tomará um comprimido. Toda forma de dor será banida e você mudará de vida, sem analgésico e sem anti-inflamatório. Vem pra cá, seu Osório! Vote em Alaor, chega de dor!

Para acabar com a corrupção, só mesmo votando no Assunção. Porém, não prometo isso ou assado porque já estou velho e cansado. Arrumaram este slogan para mim agora, ora, e eu nem gostei dele, sabe? Mas, a gente faz o que pode. Assunção, o homem do bigode.

Vote em mim, caro eleitor, meu partido é o PAMOR: Partido do Amor, claro. E de quem tem bom faro. Achamos esse nome muito legal. O mundo está uma loucura, afinal. Pessoas vagando sem rumo e sem destino. É um desatino. Vote no PAMOR, se ainda acredita no amor.

Posso não ser a sua melhor opção, mas existe outra? Ninguém mais deseja ficar apostando para ver a coisa andar. E se vai mudar. Pode haver mudança? Deus queira! Sim, mude com o melhor, mude com o Pereira. Sou pequeno no partido, mas não estou perdido. Pereira, o que não fará asneira.

Vote em mim. Entrei de gaiata e não tenho assim um projeto para lhe apresentar. Ar. Minha melhor ideia é a de que nós precisamos urgentemente, gente, de novos conceitos. E de atitude. Para construir um açude. Meu nome é Maria, a que entrou numa fria…

Deixe um comentário