Políticos F.C.

FutebolGrandes pensadores, antropólogos, sociólogos já fizeram – e outros ainda fazem – profundos estudos sobre o futebol. Embora, para muitos, pareça apenas um “jogo de bola”, “22 tolos correndo atrás de uma bola”, o futebol é revelador de verdades profundas, seja no plano individual, seja no social. O jogo – na verdade, qualquer jogo – tem, na humanidade, uma história e uma importância singularíssimas. E, em meu entender, nada há de mais completo do que o estudo do professor e pensador holandês, Johan Huizinga, intitulado “Homo ludens”. É obra ímpar.

Durante muito tempo, mantive, no Correio Popular, de Campinas – para o qual ainda envio minhas crônicas – uma série de entrevistas com personalidades da região. Tive a honra de entrevistar figuras extraordinárias, como Hilda Hilst, Thiago de Melo, César Lates, D.Agnello Rossi, Carlos Vogt e tantos e tantos outros. O objetivo era ir em busca do ser humano oculto nas atividades que eles desenvolviam. O homem e a mulher, não os profissionais. E, para desvendar-lhes uma dimensão importante da personalidade, eu perguntava, aos homens, se haviam jogado futebol. Se jogavam, qual era a posição? Isso revelado, lá estava o homem por debaixo de suas vestes profissionais.

Certa vez, entrevistando o Arcebispo de Campinas, fui tentando enrolar o homem, criando clima para entrevistador e entrevistado. Se ele tivera alguma namoradinha, se amara alguma mulher, etc. Até que lhe perguntei: “O senhor. jogou futebol?” Ele abriu um sorriso imenso, descontraiu-se, começou a falar de si mesmo como futebolista e, então, eu lhe disse que iria adivinhar a posição em que ele jogava. Ele me olhou, incrédulo. E eu saquei: “Lateral direito.” O Arcebispo impressionou-se: “Acertou! Como você descobriu?”

Ora, nada descobri. Os estudiosos tentaram e conseguiram definir a personalidade das pessoas – parte dela, evidentemente – a partir da posição em que jogavam na equipe. O lateral-direito – como o Arcebispo – não se compromete, não se revela por inteiro, corre em linha reta, vai e vem, entregando a bola quando pode. Mas, na maioria das vezes, desfaz-se dela o mais rápido possível.

O goleiro é o narcisista. O zagueiro central é o xerifão, metido a dono do time. Os homens do meio do campo são cerebrais, organizadores. O lateral esquerdo é o desesperado que oscila entre o atacante e o defensor, correndo sempre até à linha do fundo, à espera de um companheiro para passar a bola. O centro-avante é um alucinado, personalista. E, assim, vai.

Imaginei, em Piracicaba, um time de políticos, o Políticos Futebol Clube. Thame, obviamente, é o sócio principal, mas oculto. Barjas Negri é o gerente, que faz negócios, compra e vende, contrata,tendo Gabriel Ferrato como tesoureiro.  Roberto Moraes é o relações-púvos. O lateral esquerdo é o Paulo Camolesi, correndo feito maluco sem ter ninguém que o ajude. O Trevisan é o centro avante, tentando ser titular,  pois outros destrambelhados disputando a posição. O meia-armador é o Pedro Cruz, sempre no meio campo, fazendo ajustes e acertos. O Ary Pedroso é lateral direito, fazendo que vai e não vai. O Pedrinho Kawai ainda é reserva, iniciante, mas com pretensões sérias para se tornar um bom volante. O Zé Luiz é quarto zagueiro, dando trombada, chutões, mas sem qualquer habilidade. O Paiva é polivalente, mas com pretensão a ser centro-avante titular, desbancando o Trevisan, que perde muitos gols. A Márcia Pacheco, por óbvio, é a massagista ou médica do time. O Longato e o Capitão Gomes já estão no banco de reservas, muito cansados e sem idade para disputar posições, a não ser de conselheiros do clube. O André Bandeira é o chefe da torcida.

Se me esqueci do João Manuel? Não. Ele é o presidente honorário, figurativo, que não dá um passo nem fala uma palavra sem ouvir a Kátia. E Madalena? Ora, a gloriosa Madalena é a ativa animadora da torcida. Ou a atriz que distrai torcedores nos intervalos dos jogos. Quanto aos demais, não sei.

É um time, convenhamos,  de jogadores conhecidos, cansados. Mas sem qualquer futuro. Está próximo de cair para a segunda divisão. Ou desaparecer. Pois a torcida – desculpem-me pela inevitável grosseria – está de saco cheio, muito cheio. Bom dia.

2 comentários

  1. Antonio em 02/04/2014 às 16:55

    A maioria desse time não foi contratada pelo Barjas pra jogar só no time dele que nem o Roberto Carlos que só joga na Globo?. O Ary Pedroso tá no time? Se tá nunca vi marcar um gol. Não sei tantas faltas são descontadas. Tem o pastor Luizinho, que virou ovelha. E aquele de Santa Terezinha, faz tanto que nem o nome sei? Tem o Moschine (?), cujo ego não cabe em si. E o Chico, segue o Paiva?

  2. wilhe gerdes em 02/04/2014 às 18:35

    Dá um bom time de VÁRZEA…E, se seguir a regra é um time falido e cheio de negociatas.
    Na verdade o time de cara de quarta divisão.

Deixe um comentário