Quais os dias úteis?

picture (18)Nem sei mais se se usa o verbo encafifar. Mas confesso ainda encafifar com o que chamam de “dias úteis”. Ora, o que é isso? Temo por alguma definição, pois há discussões tão longas a respeito de felicidade e utilitarismo que meu receio é o de que sejam úteis apenas os dias que interessam ao universo da economia. A grande frustração, para alguns, e alegria de outros – na relação patrão/empregado – estão, também agora, nos feriados que caem aos sábados. E a pergunta: sábado é dia útil? Se não for, seria um dia inútil? O que é isso?

Ouvi, certa vez, a discussão de dois ilustres trabalhadores intelectuais a respeito de feriado cair em sábado. Como se sabe, onde houver dois ou mais intelectuais, lá estará a mais pura filosofia, aquela que tem, como ciência, a mais adorável definição que já ouvi: “Filosofia é a ciência tal que, com ela ou sem ela, tudo continua igual.” Ou, como diz um gaiato de mesa-de-bar: “É a arte das abobrinhas.”

Ora, os meus amigos tinham todo o direito de discutir assunto de tal relevância, pois colegas deles, em séculos passados, já discutiram questões com importância equivalente ou semelhante. Por exemplo: quantos anjos cabem na cabeça de uma agulha; qual o sexo dos anjos? São as tais questões bizantinas, que levaram Bizâncio para o buraco: enquanto os sexos angelicais eram discutidos, as invasões bárbaras iam mudando a História. Mas essa é outra história.

A grande discussão de meus amigos: sábado é ou não dia útil? Para um dos filósofos da Rua do Porto, sábado é um dia meio útil ou um meio dia útil. Ou seja: mais ou menos útil. Para o outro, isso não existe: ou sábado é ou não é dia útil. Era preciso chegar-se a uma conclusão para, então, discutir- se outra: é ou não é terrível injustiça um feriado cair num sábado? Ou, então, justificar um simples lamento. O raciocínio era o seguinte: se sábado é dia útil, é injustiça feriado cair num sábado. Pelo contrário: é um presente dos céus. Mas se sábado não é dia útil – sendo, portanto, considerado feriado – será terrível injustiça para os trabalhadores, mesmo que intelectuais, um feriado cair num sábado. É como um roubo, mais um roubo contra os trabalhadores, mesmo, insisto, que sejam intelectuais, pois há intelectuais que também trabalham. Logo, se um feriado cair num sábado, sendo o sábado considerado dia feriado, o mais honesto seria comemorar o feriado na segunda-feira. Ou na sexta anterior.

Pela tese de meus amigos, um dia útil é mais inútil do que um dia feriado. Dia útil seria o feriado. Gostei, pois não entendo a questão da utilidade, complico-me nela. O útil é relativo. Mas há louco para tudo. Como meus amigos, filósofos há que discutem utilidade, utilitarismo até para cálculo de felicidade. Para alguns, há um cálculo de utilidade que serve para um cálculo de felicidade. E, nesse caso, eu entro em pânico, pois, em minha vida pessoal, quase todas as coisas úteis e utilidades apenas me deram infelicidades. E, em muito do que me ensinaram ser inútil, encontrei o segredo da alegria. .

Antigamente, falava-se em dias úteis, dias santificados, feriados e domingos. Um “7 de Setembro” era feriado e, portanto, não era dia útil. Um “12 de Outubro”, consagrado a Nossa Senhora Aparecida, dia santificado, deixava de ser dia útil. E o domingo, tido e havido como o “dia do Senhor” – “dies dominicus” – também não é dia útil. De onde concluo, não sei se tão erradamente assim, que dia útil é aquele no qual o povo sofre e geme no trabalho, derramando o suor do rosto e sangue e lágrimas para se manter, ganhar o pão, dia do sacrifício, da pena, do castigo, aquela praga de Deus a Adão: “ ganharás o pão com o suor de teu rosto.” Isso é dia útil.

Quem se lembra de que o Zé Serra prometeu toda uma segunda-feira, a semana toda, para o Brasil? Ora, para empregado ou desempregado, segunda-feira pesa como castigo. Promessa boa é prometer feriado a semana toda. Quanto mais inúteis os dias, mais alegria de viver, perdoem-me os utilitaristas. E bom dia.

Deixe um comentário