Sinfônica de Piracicaba abre temporada sob regência de Jamil Maluf

As comemorações dos 115 anos da Orquestra Sinfônica de Piracicaba (OSP) prometem surpreender ao público com a temporada de concertos criada por Jamil Maluf,  regente titular e diretor artístico. A abertura acontece no dia 11 de abril, às 19h45, no Teatro Municipal Erotides de Campos, no Engenho Central. As apresentações gratuitas celebram uma nova fase, com novos instrumentistas, centro de estudos musicais e projeto pedagógico associado.

O programa começa com o Concerto no.2 para Piano e Orquestra, em dó menor, op.18, de Sergei Rachmaninoff. O solista convidado para acompanhar a obra é o pianista Eduardo Monteiro, vice-diretor da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP). Aclamado internacionalmente, Monteiro atuou como solista das orquestras de São Petersburgo, Moscou, Munique e Viena. Na segunda parte, Maluf rege a Sinfonia no. 8, em sol Maior, op.88, de Antonín Dvořák.

Para Jamil Maluf, a intenção é que o público se identifique com a nova fase da orquestra. “O projeto de reestruturação da OSP é um presente para mim, depois de 34 anos em posição de destaque no Theatro Municipal de São Paulo, regendo uma grande quantidade de concertos, óperas e balés. É o momento em que divido toda a experiência acumulada e trago para centros importantes, como Piracicaba, a oportunidade de ter sua vida musical ainda mais enriquecida”, diz ele.

Os recursos para a temporada são provenientes da Prefeitura do Município de Piracicaba, por meio da Secretaria Municipal da Ação Cultural (Semac). Segundo Rosângela Camolese, chefe da pasta, a experiência de Maluf é de extrema importância para a formação de plateia e também na profissionalização de jovens músicos. “A OSP é um patrimônio e Piracicaba pode se orgulhar de ser um dos poucos municípios a ter esse privilégio, o de preservar sua história cultural e ainda oferecer música de qualidade a sua população”, avalia a secretária da Ação Cultural.

Todos os concertos da temporada até agosto possuem entrada gratuita e ocorrem no Teatro Municipal Erotídes de Campos, no Parque do Engenho Central. Os solistas confirmados são Luciana Bueno, Daniel Guedes e Antonio Carlos Carrasqueira. Para a apresentação de maio o regente convidado é Thiago Tavares. Em julho, a Sinfônica é a responsável pela abertura do 6º Feimep (Festival Internacional de Música Erudita de Piracicaba), com a presença, ao piano, de Jasmin Arakawa, do Japão.

O PROGRAMA – Dvořák é um compositor que tem acompanhado o maestro Jamil Maluf em momentos decisivos de sua carreira. “No concerto inaugural da Orquestra Experimental de Repertório escolhi a 9a.Sinfonia desse compositor, que tem como sugestivo subtítulo ‘Do Novo Mundo’, para caracterizar a nova orquestra que surgia com propostas inovadoras. Dessa vez escolhi a 8a., que tem alguns dos mais belos solos de violoncelo da literatura sinfônica, para homenagear meu colega de empreitada na OSP, o excelente violoncelista André Micheletti”, diz o maestro.

No caso do 2o.Concerto para piano de Rachmaninoff, Jamil Maluf recorda a primeira vez em que atuou com Eduardo Monteiro, em 1986, quando o pianista ganhou o Prêmio Eldorado de Música, tocando o mesmo concerto acompanhado pelo maestro. Desde então, Jamil e Eduardo atuaram juntos em cinco oportunidades. “É um pianista sofisticado. Seu cuidado na execução de uma obra transcende em muito o de uma simples e correta execução, para se transformar em uma instigante interpretação.”

Antes da apresentação do repertório em todos os concertos, acontece a palestra “O Meu Concerto de Hoje”, com 30 minutos de duração, ministrada por Jorge Coli, professor de história da arte na Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), onde dirige o Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. A ação integra o programa de formação de plateias concebido pela direção artística.Sobre a inclusão de um palestrante para anteceder o concerto, Jamil lembra que Jorge Coli é um intelectual que dará ao público uma ampla visão dos múltiplos aspectos que cercam uma obra-prima erudita. “Aspectos musicais, evidentemente, mas também sua contextualização na época em que foi composta. Conexões importantes para que as pessoas conheçam melhor o significado dessas grandes obras musicais”.

REESTRUTURAÇÃO – Por um período de duas décadas, Egildo Rizzi atuou como regente titular da OSP. Com sua morte, em 2014, Jamil Maluf foi convidado a assumir a vaga, com autonomia para reestruturar a Orquestra, acompanhado de André Micheletti.

Os instrumentistas da nova fase foram escolhidos por meio de audição, realizada em março, disputada por 320 candidatos de seis estados. A OSP conta, hoje, com 53 instrumentistas, 36 profissionais e 17 estagiários, quadro que é completado por convidados sempre que o repertório exige.

Está sendo criado também o Centro de Estudos Musicais, voltado ao aperfeiçoamento da técnica e da performance dos estagiários, e a série didática “ABC do Dó Ré Mi”, em parceria com a Secretaria Municipal de Educação, para alunos da rede municipal de ensino. Doze mil crianças é o público estimado, por ano, com a série, com participação exclusiva dos jovens músicos estagiários, um maestro e um ator.

A próxima etapa é garantir aporte de pessoas físicas e jurídicas para a realização do projeto integral, via Lei Rouanet, com 45 apresentações e público estimado em 19 mil pessoas nos concertos. O custo é de R$ 2,5 milhões. “Tenho a esperança que empresas apoiem a iniciativa. É uma forma de devolver à comunidade o muito que dela recebem. Espero, também, que voluntários se disponham a trabalhar por nós, se juntem à OSP, e nos ajudem a impulsionar as ações”, diz Jamil Maluf.

SERVIÇO – Abertura da Temporada de Concertos 2015 da Orquestra Sinfônica de Piracicaba. Sábado, 11 de abril, às 19h45, no Teatro Municipal Erotídes de Campos (avenida Doutor Maurice Allain, Parque do Engenho Central). Entrada gratuita. Informações: (19) 3413-5212. A distribuição dos ingressos começa uma hora antes de cada apresentação.

 

Deixe um comentário