Anos 60: inauguração do PS e preocupação com policiamento

Os anos 60 foram marcados, em Piracicaba, no governo Salgot Castillon, por duas questões que demonstram claramente a mudança dos tempos. A primeira foi a inauguração, em dezembro de 1961, do Pronto Socorro Municipal, instalado a Rua do Rosario 916. Somente no primeiro mês de funcionamento, contando com 8 médicos e 6 enfermeiros, funcionando durante a semana no período noturno e aos sábados e domingos 24 horas, atendeu a 560 pessoas.O problema é que 326 atendimentos resultaram de chamadas domiciliares, o que levou a chefia a desenvolver ampla campanha para que a população entendesse o significado do serviço: ele fora montado para atender emergências. Entre as chamadas solicitando ambulâncias, havia casos registrados de simples dor de dente.

Já no caso da segurança pública, ainda que a cidade reclamasse da falta de policiais – eram cerca de 50, embora a corporação indicasse 102 como o número ideal atender o destacamento, o serviço de Rádio Patrulha e o trânsito – um relatório das solicitações encaminhadas e resolvidas pela Guarda Municipal também mostra como eram aqueles tempos. A Guarda Municipal deteve, durante todo o ano de 1961, 68 pessoas por desordens, 16 por furtos, 19 por escândalos em vias públicas, 8 por depredação, registrando, ainda, 26 intervenções por perturbação do sossego público. Espanta, entretanto, os demais serviços prestados, com freqüência: atendimento a 95 chamados por médicos “fora de hora”e atendimento a 43 receitas médicas por farmácias “durante a madrugada”.

Deixe um comentário