Guilherme Vitti

guilherme vitti

Arquivo

Guilherme Vitti dizia que trabalhava “por amor” e era o dono da memória na Câmara Municipal. Era conhecedor como ninguém da história da cidade, entre livros e papéis que nunca lhe guardavam mistérios. A vida deste historiador, que trabalhou até quase o fim da vida – faleceu aos 100 anos, em 2015- foi tema de matéria do semanário impresso A Província em novembro de 1987.

Na sala de Vitti, somente as atas da Câmara somavam 90 livros, com aproximadamente 200 páginas cada um. Depois de tomar ciência de tudo, foi dele a ideia de fazer um índice geral de todos os assuntos registrados nas atas para facilitar a vida de estudantes e historiadores.

Essa paixão pela história adquiriu em 1948, quando foi eleito vereador de Piracicaba, mandato que se estendeu por quatro anos. Quando se aposentou, foi convidado a continuar seu trabalho. Ficou um tempo atuando de graça e em 1987 recebia apenas dois salários mínimos. “Mas não tem problema, faço por amor”, afirmou. Raridade!

 

Deixe um comentário