O conhecimento vale uma geração

A agricultura brasileira tem grande expectativa e oportunidade no agronegócio, mas o agronegócio de hoje vale pela competência e pelo conhecimento. Nada hoje é feito pela experiência histórica, mas tudo é decidido de forma profissional e técnica sendo que a pesquisa é fundamental para isso. A ciência e o agronegócio brasileiros têm sucesso porque passam pela universidade. As academias validam o que o empresário faz, por isso nós precisamos de boas universidades. Sou uma pessoa que a vida inteira procurou se instruir e aprender, mas não adianta ter diploma e não produzir.

O brasileiro acha que o diploma somente resolve, mas em nenhum momento isso aconteceu e nem vai acontecer. Nós temos que cursar a melhor faculdade, com os melhores professores e a melhor estrutura, além de estudar bastante. Isso é de importância capital. O conhecimento vale uma geração. Eu acho que a USP, por meio da ESALQ, é um exemplo, um modelo. As melhores cabeças do agronegócio brasileiro passaram por aí. Não vejo possibilidade de crescer com sustentabilidade sem passar pelas academias. Nossas lideranças políticas e eu estamos preocupados em inserir a academia em todos os setores para validar nosso trabalho. Acredito que se a gente quer ter sucesso com sustentabilidade na agricultura, isso passa pela academia e obrigatoriamente pela USP, que foi fundada com esse propósito. As pessoas que fundaram a USP tinham como objetivo estruturar o futuro do país.

A USP foi feita por um grupo de paulistas que tinham como preocupação maior a solidez do país, a distribuição de renda, a produção do conhecimento, a divulgação do conhecimento para que pudéssemos participar dos benefícios que o país iria ter no futuro. Acho que posso resumir que quando se fala em conhecimento, se fala da USP.

 

Cesário Ramalho da Silva

Presidente da Sociedade Rural Brasileira (SRB), produtor de grãos e pecuarista e Minas Gerais e no Mato Grosso do Sul. É filho, neto e bisneto de fazendeiros

Deixe um comentário