A HISTÓRIA QUE EU SEI (101)

Piracicaba não tinha infraestrutura, o agravamento dos problemas sociais seria inevitável, a especulação imobiliária pressionaria ainda mais a população A migração rural, o surto desenvolvimentista do Estado, as características da indústria piracicabana, tudo isso estava levando à necessidade de uma reinterpretação dos destinos de Piracicaba, à presença mais atuante de lideranças lúcidas e sólidas… No entanto, estávamos caindo num vazio político preocupante, agravado pelo surgimento de uma administração sem experiência e sem sensibilidade social. Problemas, que já existiam, seriam agravados. A industrialização a toque de caixa haveria de trazer conseqüências irreparáveis, pois os problemas já começavam a ser detectados: as primeiras favelas, a expansão da cidade em direção a Santa Terezinha, onde já se haviam instalado indústrias de grande porte, como Klabin, Agave, Pirapel, Butilamil, Papel Independência, Borflex.

Acompanhado do empresário Geraldo Quartim Barbosa, o Prefeito Adilson Benedicto Maluf, autorizado pela Câmara Municipal, foi aos Estados Unidos, à cidade de Peória, negociar a instalação da Caterpillar em Piracicaba, oferecendo-lhe vantagens e benefícios. E, naquele ano de 1973, no mês de Setembro, o Prefeito Adilson Maluf criava o Distrito Industrial-Leste, em terras que pertenciam a Adolpho da Silva Gordo – que as adquirira à Família Morganti – no bairro Monte Alegre. A Caterpillar aceitara as condições, vira atendidas algumas de suas exigências, finalmente adquirira uma área de 400 hectares, a maior aquisição daquela empresa fora dos Estados Unidos. Pouco tempo depois, dar-se-ia a vinda também da Phillips do Brasil para o Distrito Industrial que passou a ser o primeiro grande problema da administração municipal, pois todas as máquinas e esforços foram empregados na infraestrutura para dar-lhe condições de existência, em prejuízo, obviamente, de outras obras, especialmente as de cunho social.

A atuação do Reitor da UNIMEP, Richard Edward Senn, para a vinda da Caterpillar, tinha sido fundamental e aquela universidade, em seu início, mostrava-se inteiramente simpática para o modelo capitalista de desenvolvimento. Para se ter uma idéia das relações entre Richard Senn (UNIMEP) e Adilson Maluf (Prefeitura) basta lembrar-se que, quando se instalou o DDI (Discagem Direta à Distância) em Piracicaba, a primeira ligação internacional foi feita, na presença do Prefeito, por Richard Senn à universidade norte-americana do Tennesse. Por outro lado, Geraldo Quartim Barbosa era um dos gerentes dos empreendimentos de Adolpho da Silva Gordo, relações que, obviamente, permitiram aos opositores de Adilson Maluf, na Câmara Municipal e na Imprensa, tirar ilações sobre aproveitamentos e especulações Imobiliárias, pois grandes negociações e investimentos passaram a ocorrer neste setor em ritmo por assim dizer frenético A própria UNIMEP, através do Reitor Richard Senn, faria ousadas operações, na escolha de terras para a criação de uma “Cidade Universitária”. O projeto havia sido elaborado para ser executado nas proximidades da estrada em direção à Limeira, próximo da Faculdade de Odontologia. Com o surgimento do Distrito Industrial, Richard Senn negociou aquelas terras com o Grupo Dedini, aproximadamente seis alqueires, com 55 alqueires às margens da Rodovia do Açúcar onde se localiza, hoje, o “Campus” Taquaral. 50 O Prefeito Adilson Maluf interveio nas negociações, assegurando que a Prefeitura levaria, como acabou fazendo, benfeitorias para o local, destinado a ser, assim, um novo pólo de desenvolvimento urbano da cidade, prevendo-se, também, a abertura de uma larga avenida em direção ao conjunto residencial CECAP. Em 1976, a Caterpillar iniciaria a construção de sua unidade no novo Distrito Industrial.

Assim, Piracicaba assistiu ao surgimento de uma das causas principais de suas próximas complicações sociais, o Distrito Industrial, que fora instalado – contrariando até mesmo parecer do engenheiro Joaquim Guedes, responsável pela implantação do Plano Diretor – à montante do rio, em terras férteis e generosas que, em poucos anos passados, eram vistas como a área mais adequada para Piracicaba criar o seu cinturão verde. Todos os estudos indicavam que um futuro Distrito Industrial deveria ser instalado em terras próximas a Anhembi, impróprias para culturas agrícolas, à jusante do rio. Mas uma das condições da Caterpillar fora instalar-se próxima a uma grande rodovia estadual, insistindo, ainda, para que se reativasse o ramal ferroviário da FEPASA. As terras de Monte Alegre preenchiam as exigências da Caterpillar. E assim aconteceu, vindo, coincidentemente, a aliviar, um pouco, as grandes dificuldades financeiras enfrentadas por Adolpho da Silva Gordo.

Deixe um comentário