A HISTÓRIA QUE EU SEI (XL)

A renúncia de Salgot
Pela legislação em vigor na época, os prefeitos que tivessem sido eleitos para a Assembléia ou Câmara Federal poderiam permanecer nos cargos depois de sua licença durante a campanha eleitoral – até o dia da posse no novo mandato. Salgot Castillon, pela lei, poderia ficar na Prefeitura até o início de 1963. No entanto, um dia antes das eleições camarárias municipais para a escolha de seu substituto, foi informado, e constatou pessoalmente, que estava sendo traído por Jorge Antonio Angeli. A oposição aumentava a carga em suas denúncias e pressões, bombardeando a administração pública. Amargurado, Salgot Castillon tomou uma decisão e levou-a a efeito no dia mesmo da votação da Câmara Municipal e antes de se saber o resultado: renunciava ao cargo, entregando o poder aos adversários para que eles pudessem fazer uma devassa em sua administração e antes que ele, Salgot Castillon, fosse investido de imunidades parlamentares.

A decisão e a renúncia de Salgot Castillon – lidas na Câmara por Geraldo Bastos – estouraram como uma bomba. A conseqüência do ato era imediata o presidente da Câmara Municipal teria, novamente, que assumir a Prefeitura. Mas o Presidente era Manoel Rodrigues Lourenço, que era candidato à eleição, disputando o voto dos vereadores para se tomar Prefeito. Lourenço, então, renunciou também à Presidência da Câmara que foi assumida por Emílio Sebe. E, imediatamente Emílio Sebe se tornava Prefeito de Piracicaba.

Foram poucos dias de Emílio Sebe, vereador do Bairro Alto, na Prefeitura. No entanto, foram dias agitados. Emílio Sebe decidiu, num ato, declarar de “utilidade pública” a Chácara Nazareth, de propriedade do Deputado João Pacheco e Chaves, e a Chácara do Vevé, vizinha àquela, da família Botelho A reação na cidade foi explosiva. O argumento de Sebe era de que a Chacara Nazareth era um patrimônio piracicabano, um local histórico. A do Vevé, nem tanto, mas entrou de cambulhão. A cidade se dividiu, mas as camadas populares vibraram com a decisão do Prefeito em exercício Sebe, que ficou na Prefeitura ale a posse de Alberto Coury.

A renúncia de Salgot Castillon foi inútil para os “guidotistas” pois era um aliado de Salgot que assumia a Prefeitura de Piracicaba, um empresário e m comendador, Coury e D’Abronzo, indicados pelo Partido Socialista Brasileiro…

Deixe um comentário