Feriados e boleros

Os textos de diferentes autores publicados nesta seção não traduzem, necessariamente, a opinião do site. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

images (20)Estou escrevendo esta crônica enquanto ouço os boleros de Luis Miguel. Minha filha mais nova colocou as músicas no meu computador. Maravilha! “Usted es mi esperanza…”, e a música maravilhosa me faz pensar em sonhos do passado e alguma coisa a mais do presente. Mas o presente também tem sido gratificante. Apesar dos pesares. Tal ressalva se impõe, fatal, nos dias de hoje.

Nossa vocação é reverenciar o passado. Mas se há algo que devemos agradecer sem cessar é o dia de hoje, cada instante vivido, com a chama eterna dentro da alma. O dia de hoje é e será sempre o mais belo de toda a nossa existência.

Convenci-me de que a vida vale o agora. Este momento é o mais precioso de todos. O momento em que escrevo e penso, ou quando tomo um delicioso café da manhã. Ah, ficar ao sol, sentada numa espreguiçadeira, rezando o terço! Ou quando me aninho nos lençóis frescos da minha cama, apago a luz, e começo a conciliar o sono.

Cada vez mais, compreendemos esta assertividade: se há algo que podemos mudar é o nosso presente. O passado já aconteceu, o que está feito está feito, não há como e onde interferir. Quantos não dariam tudo para recomeçar! O futuro a Deus pertence, costumo dizer. É uma incógnita. Não podemos antever nada, a não ser tomar providências cabíveis no devido tempo, para desfrutar de uma aposentadoria e de uma velhice dignas.

Olho à minha volta. Olho para trás. Estou viúva há cinco anos. Em inúmeras situações, um marido ao lado faz uma falta tremenda quando é preciso tomar decisões cruciais ou empreender algo importante. Mesmo sozinha, penso que mais acertei que errei. Mulher sabe pensar e decidir.  Vendi a chácara e voltei para a cidade. Orgulho-me de algumas coisas. Vejo tudo o que caminhei até aqui. Ao longo da vida, onze intervenções cirúrgicas, sendo nove com anestesia geral.

Estou de pé todos os dias, andando e dirigindo, depois de três cirurgias na coluna. Trafego pelas ruas movimentadas do centro da cidade e vejo além do horizonte. Todos estão ali, naquela fila de carros, por alguma razão. Parece existir em cada alma a irresistível compulsão para ver o que há lá fora, estar na rua, viver o frenesi do trânsito e a ocorrência do que o dia apresenta.

O dia tem muito a oferecer. Em dias de feriado, é tão bom ficar em casa ouvindo boleros, para que a vida dance ao som da nossa esperança. Feriados de carnaval me fazem lembrar que a juventude existiu e foi maravilhosa. Maravilhoso é o dia de hoje, esta hora, o frêmito incansável que permeia o tempo, o momento em que a transformação misteriosa acontece dentro e fora de nós.

Tudo muda o tempo todo. A vida não é estática, existe uma dinâmica que salta aos olhos e ao coração. Depende de nós a curiosidade de saber para onde vamos, nesta trajetória que é sonho, sonho, puro sonho.

E Luis Miguel encerra minha crônica: “porque tu barca tiene que partir”…

Deixe um comentário