Íntegro

Os textos de diferentes autores publicados nesta seção não traduzem, necessariamente, a opinião do site. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Vejo pronto-socorros cheios e me pergunto por que pessoas adoecem tanto? Além da dificuldade no acesso a condições mais saudáveis de vida e omissão do poder público em fazê-la acontecer, penso que a causa principal de tanta doença seja o fato de não se viver como pede o coração. Muitos tocam a vida do jeito que dá, e se conformam. Sonhos enterrados e talentos abandonados. Vive-se uma coisa sonhando outra. Vida dupla desgasta. O eu cobra, mas não é levado a sério. Até pergunta por que é tão desprezado? Vai indo que se cansa, fica doente para chamar atenção. No final da vida voltará com as mesmas cobranças.  Então o estrago poderá ter sido irremediável. “Se abrir mão da essência de seu sonho a frustração cobrará a conta”. (Elisabeth Trinidad Mena).

Doenças acham poucas brechas em quem é íntegro, isto é, inteiro, coerente, dono de si – o que nada tem a ver com ser perfeito, pois “Ficam em pé aqueles que seus fardos equilibraram”. (Maria de Lourdes Sávio). O único jeito de precisarmos pouco dos sistemas de saúde é estar bem conosco mesmos. Se nosso ponto de referência for sempre fora de nós viveremos sob risco. “Sua mente é um espaço sagrado na qual nada de mal pode entrar, exceto com sua permissão!” (Arnold Bennett).

Observe os que não se valorizam e não se respeitam. Um bajulador por exemplo. Expõe-se ao ridículo para obter posição ou cargo. Um ser desses se ama? Você gostaria de ter um pai ou uma mãe com esse comportamento?  Mesma coisa é a pessoa que mete a mão na buzina mostrando intolerância; a turma que pede leis cada vez mais severas para os que erram; o homofóbico, o ciumento, o possessivo; o fanático e o mau humorado; o infiel e o violento; o gastador e o corrupto; o traficante e o milionário; o galanteador e o ladrão. Faliram na vida. Não descobriram a riqueza que em si carregam. Riqueza suficiente para viverem felizes e virar referencia.

Tire o ser humano do mundo e o mal desaparece.  Porém, não nascemos maus. Ficamos à medida que deixamos nossa originalidade. Interessante o simbolismo que a Bíblia usa para dizer como o mal entrou no mundo. Deus pergunta ao homem porque comeu do fruto proibido. De imediato culpa a mulher, que por sua vez culpa a serpente, que não tinha ninguém para culpar. Todos se fazem vítimas. Nenhum assume seus atos. Caim mata Abel. Interpelado, responde: “Por acaso eu sou o guarda de meu irmão?”.

O mal, portanto, a meu ver é ausência de responsabilidade por si. É abrir mão da própria essência para virar massa. Cada um de nós é um ser único. Manter tal originalidade, que tanto bem faz ao mundo, requer coerência e vigilância constante. Mais fácil é ir ao vácuo, virar figurante; jogar nas costas dos outros as próprias frustrações e que se virem para reparar o estrago. Reclamam que o mundo está perdido, mas não se colocam entre os responsáveis. Somos centelhas de Deus. Quanto mais formos nós mesmos mais semelhantes a Ele seremos e mais realizados.

Voltando ao início, pronto-socorros, hospitais, consultórios, casas de recuperação, estão lotados; também os presídios. A lista de dependentes de drogas lícitas e ilícitas não tem fim. É o retrato de uma sociedade que quis fazer bonito para semelhantes igualmente falidos e infelizes. Apostou na aparência e se ferrou porque se esqueceu da essência. Desenvolvimento econômico, posses e poderes não trouxeram felicidade para ninguém.

“Pessoa íntegra não age por medo ou pelo desejo de impressionar bem, e sim por uma forte convicção interior de quem ela é e do que significa. Não é um santo nem uma pessoa perfeita, mas só um ser do qual toda a falsidade, todo egoísmo e toda mesquinhez foram destilados, de forma a só deixar a identidade pura. É uno com Deus.” (Harold Kushner).

1 comentário

  1. Pedro Paulo em 06/07/2015 às 11:57

    Realmente você acertou em cheio Thais, belo artigo, as pessoas são assim mesmo, a grande maioria . Eu pessoalmente tento fugir de pessoas, assim, mas é impossível, estão em casa, na escola, nas ruas , no trabalho, só quando matarmos nosso eu e pensarmos mais em nós é que a coisa vai tomar jeito.

Deixe um comentário