Moeda fraca

Os textos de diferentes autores publicados nesta seção não traduzem, necessariamente, a opinião do site. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

De peito estufado e com toda pompa, pelas ondas da rádio FM-governo surgiu a informação oficial: “O governo do estado, através de Geraldo Alckmin acaba de repassar ao nosso município R$ 16,87 milhões/ano”. Esse recurso será destinado à Santa Casa e HFC – Hospital dos Fornecedores de Cana. Sem dúvida, é algo para se comemorar, pois a saúde, de há muito vinha sendo preterida, uma vez que o prefeito anterior, tal e qual os faraós do antigo Egito, cansou de erguer, pontes, monumentos e outras obras que permitissem visibilidades ao sobre solo. Entretanto, mesmo com todo esse aparato de nomes da política tupiniquim, a moeda de troca da tucanada em Piracicaba, tá desvalorizada. Explico: – Limeira, uma cidade de população 30% menor, acaba de receber R$ 21,5 milhões para a saúde, ou seja: (21,%) – R$ 4,63 milhões a mais que a nossa cidade, destinado apenas para uma unidade de saúde. A estranheza aumenta, por saber que o prefeito de Limeira, Paulo Radic (PSB), é só parte da base aliada. Nesse ponto, fica claro que os ‘gran’ políticos daqui do PSDB, (Barjas, Thame e o atual prefeito), entre outros menores da casta, inclusive um estadual de outro partido, estão valendo menos. Daí, como que antecipando o viés de baixa na opinião pública, vieram as tentativas de explicação dessa ocorrência. E apesar do Tititi, tatata, do etc. e tal, a grande verdade fica por conta do antagonismo dos talentos políticos dos de bico dessa cidade, pois numa ponta, enquanto alguns falam demais, na outra, mostram estar valendo ‘de menos’. Nesse ponto, num país capitalista como o nosso já tem gente flertando com a frase: Diga-me com quem andas e eu te direi se vou contigo! Que o digam Serra e Alckmin.

Deixe um comentário