Soneto Bobo

Os textos de diferentes autores publicados nesta seção não traduzem, necessariamente, a opinião do site. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

464015625_8f000e0209Quisera eu no tempo ter voltado

Ter dito mentiras de amor sinceras

E seguido o rumo da minha espera

Pra sua casca ter mudado de estado.

 

Com esse meu lado meio megera

Que lhe faz fugir do seu próprio achado

Meu samba se parte e, o peito estufado,

Guarda aquilo que só o seu jazz venera.

 

Eu nunca sonhei com tanta bobagem

Não fosse a vontade em me ouvir tanto

Num soneto bobo em modo litígio

 

Empurrei a doce estrada d’um bem

Preferiu a amarga quebra d’um encanto

Pro seu frígio nome rimar vestígio.

Deixe um comentário