Fica combinado assim

Esta seção está disponível à população para a discussão dos interesses da comunidade, incluindo sugestões, reclamações, etc. Basta enviar-nos um e-mail através desta página. A redação reserva-se o direito, no entanto, de avaliar a autenticidade dos conteúdos e a pertinência da publicação. Informamos, ainda, que os textos aqui publicados não traduzem, necessariamente, a opinião do site.

fazer-dinheiro1A despeito de toda essa ‘muvuca’ sobre a correção salarial, exposta nas mídias, entre o nosso parlamento de leis e os movimentos das ruas endossados por 25 mil mandamentos, uma coisa resta clara: é legal, e isso, ninguém nem eu discutimos. Aqui, o que se discute de fato e de direito é a imoralidade de tal ato. Entretanto, o que me causa nojo, é ver os ‘nobres’ edis (aspas minha), fincando pé na malfadada correção salarial, usando como forma, carregar nas falas e nas tentativas de enquadrar todo esse movimento como uma farsa. Por isso, ao assistir a sessão camarária de segunda, fiquei com ódio de mim mesmo, ao ver um advogado representando o jurídico da casa, ratificando as falas do plenário sobre a ilegalidade de se voltar atrás na correção dos 66%. Estavam tão seguros disso, que fizeram um repetéco. O que me causa maior espanto é ver a falta de vergonha em tentar ofertar aos assinantes do documento, por puro preconceito, a pecha de elitistas, como se essa, fosse uma classe sem fala, sem representação; o quê em nada é o caso. Parecem esquecer, que independentemente da classe social, o voto de cada cidadão reflete o mesmo peso, e isso, por certo, será demonstrado nas próximas eleições a todos àqueles que parecem não enxergar um palmo a frente do nariz. Na prática, o povo está careca de saber, que quando eles (políticos) querem algo, um jeito dão. Portanto, não me venham com essa estória da ilegalidade regimental, ou seja, lá o que for, de não poder retroagir na correção. Daí, ao dizer elitista esse movimento, os senhores dão a entender claramente, que seus currais eleitorais provém de pessoas humildes. Então, que tal agente combinar o seguinte: Porque os senhores não ofertam até o fim dessa legislatura, essa correção de 66% para uma instituição de benemerência da sua escolha?.. Pode até ser, que nesse meio exista pelo menos alguns eleitores seus que seriam beneficiados; daí, quem sabe valesse a frase: “… tudo vale a pena quando a alma não é pequena”, mas para que essa vontade fosse aceita, necessariamente deveria passar antes pela moral, que se perdeu pelos descaminhos da sabedoria e da razão. Então, já que faço parte da elite, que fique combinado assim: – a gente aguenta vocês até a próxima eleição!

Deixe um comentário