Reflexões de poeta sábio.

Em dias da semana do longo feriado, o poeta e intelectual Lino Vitti – nosso “príncipe dos poetas piracicabanos” – publicou, na imprensa local, um artigo que deve ser considerado como a reflexão que faltava à classe política e, em especial, à intelectualidade de nossa terra. Pois Lino Vitti – um militante da imprensa piracicabana, agora um observador especial em sua vida octogenária – refletiu a respeito do que não o fez a maioria dos jornalistas e também muitos daqueles que, mesmo por “hobby”, escrevem na imprensa local: o respeito que se deve ao presidente Lula e ao povo brasileiro após a esmagadora vitória do segundo turno das eleições.

Em linguagem poética, Lino Vitti poderia ter dito os versos camonianos: “Cesse tudo o que a antiga musa que um valor mais alto se alevanta.” E esse valor mais alto foi a decisão soberana do povo, o tal do zé-povinho tão desprezado pelas diversas elites que o Brasil têm sem que tais parcelas formem uma elite verdadeira. Pois elite verdadeira é aquilo que temos de melhor. E o que temos de melhor é colhido de todas as áreas, das diversas elites particularizadas.

O melhor do povo brasileiro se manifesta democraticamente, mesmo quando os políticos enganam os eleitores. Pois essa é a realidade que precisa ser entendida, a verdade com que temos de nos confrontar: o povo não se engana, é enganado. E se praticamente dois terços do eleitorado se manifestaram a favor de Lula temos que, com humildade e sem ranços, admitir seja a maioria do povo brasileiro que aclamou o seu presidente, tão caluniado, difamado, ridicularizado pelos “soi- disants” homens bons brasileiros. Houve quem tratasse Lula, na imprensa, como as madamas do Império tratavam os lacaios que lhes serviam nos salões festivos: com narizes empoados e empinados.

Esse segundo mandato de Lula pode ser – e Delfim Neto, ideologicamente insuspeito acaba de revelá-lo – um tempo realmente transformador do Brasil. Apesar dos ranços da antiga e sempre eterna UDN, o país foi colocado nos trilhos, o povo confia no seu presidente, um novo ânimo sopra na alma nacional. A maior tragédia brasileira aconteceria, agora, se roubasse a esperança do povo. A palavra de um poeta sábio, na vida piracicabana, soa como uma advertência e um convite ao desarmamento de espíritos.

Ora, há quem esteja pensando em “revanche no ano 2010”. Isso seria de um ridículo atroz, não soasse como pios de aves mau agoureiras.

Deixe um comentário