O piolho e o mata-piolho

A cultura caipira está estreitamente vinculada à Natureza. Na fauna e na flora, há inspiração permanente para as metáforas da linguagem e o aprendizado da vida. Os bichos e as coisas são parte do cotidiano do homem que, nas grandes cidades, vai começando a perder parte de uma sabedoria acumulada durante séculos.

O piolho é, na cultura caipira, símbolo de imundície. Em torno dele, há todo um folclore, um anedotário e simpatias. “Catar piolhos”, por exemplo, pode ser maneira de xingar o outro, mandando-o às favas. Mas é, principalmente, cena comum no interior do Brasil onde os piolhos são esmagados entre as unhas dos polegares. Na zona rural, nas roças, é corriqueira a imagem das mulheres catando piolhos nas horas livres; uma deita no colo da outra, a que fica sentada abre o cabelo comprido da deitada e vai tirando lêndeas e piolhos.

Esse hábito criou uma brincadeira infantil que é a de chamar o polegar de dedo “mata piolhos”. Tornou-se parlenda conhecida: “Dedo minguinho/ Seu vizinho/ Pai de todos/ Fura bolos/ Mata piolhos.” E a “arte e ciência de matar piolhos” têm larguíssimo espaço no folclore e no elenco de simpatias nacionais. O “Livro de São Cipriano” ensina que o sumo da “erva santa” é muito útil para matar piolhos, untando-se as parte “onde eles criarem”. No “Livro do Feiticeiro Atahnásio”, também há receitas de pomadas para esse fim. E, para quem gosta de simpatia, há uma que dizem ser infalível: tiram-se alguns piolhos da cabeça, colocam-se numa caixa de fósfoso que, em seguida, é jogada numa encruzilhada.

Deixe um comentário