Cinco por dia

Os textos de diferentes autores publicados nesta seção não traduzem, necessariamente, a opinião do site. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

download (6)A imprensa anunciou que a polícia mata cinco pessoas por dia no Brasil. Existiria no momento organização mais perigosa? Difere em quê das que combate? Mata por falta de preparo, técnica, inteligência, disciplina, porque foi treinada para caçar bicho ou porque é a face visível de um Estado violento? Ou não é violento um Estado que fez de um país promissor uma nação tão injusta? Ora, violência não é um sentimento gratuito que brota do coração humano sem mais nem menos. É preciso provocação.

Existe provocação maior que a impunidade do colarinho branco e as cadeias lotadas de miseráveis; os salários dos políticos, juízes e empresários e os do povo; as mansões e condomínios de luxo e os cortiços e favelas; o desperdício dos banquetes e a ração minguada do pobre; os helicópteros particulares, carros blindados e o precário transporte coletivo; as mordomias dos gabinetes, a aberração dos novos estádios e os imundos alojamentos? E precisa acinte maior que uma polícia super armada para defender um Estado aliado a uma elite que pisa e faz sofrer para segurar privilégios?

Embora o Estado pratique contra seus pobres, somos um povo que não aceita a pena de morte – se bem que para políticos talvez surtisse algum positivo efeito. Em todo caso, cremos na recuperação do ser humano por pior que seja apesar de o sistema prisional – por culpa e omissão dos gestores públicos – estar muito longe disso, afinal preso não rende voto. E estamos certos. Países que a adotaram ganharam nada com isso. “Cerca de 1% da população dos EUA está na cadeia. É a maior proporção de presos do mundo, em qualquer lugar, em todos os tempos. Isso deveria ser o bastante para fazer com que os EUA perdessem o respeito de outros povos. (Kwame Anthony Appiah filósofo inglês, professor de Princeton. Folha 16.08.13).

Portanto, mesmo em meio ao caos de credibilidade em que se encontra o establishment brasileiro, espera-se que a polícia tenha algum tanto de senso crítico, seja parceira da comunidade e apresente, sempre que possível, o infrator à Justiça, vivo. Exceto em defesa própria ou de alguém, policial nenhum pode tirar vidas. Um homicídio é sempre um baque amargo; uma dívida a ser paga.

É claro que a maioria dos policiais é feita de gente íntegra, cujos atos sempre heróicos não aparecem na mídia. Contudo, uma polícia que discrimina, mata, dá sumiço, tortura, ameaça, simula, suborna só faz aumentar a intranqüilidade da população e a violência da bandidagem, que parte para o tudo ou nada, já que se pega não terá a menor chance. Além disso, perde a confiança do cidadão. Talvez por isso, mesmo certa, muitas vezes é recebida a pedradas pelas periferias, e pudemos ver seu despreparo em lidar com pacíficos manifestantes em junho passado.

Não concordo com a falácia de políticos e a burrice dos que insistem em armar mais e aumentar o número de policiais, endurecer as leis e o sistema prisional, etc. Não foi isso que fizeram até agora? Os dados mostram resultado inverso porque denúncias de crimes cometidos por policiais só crescem, e mesmo com toda a truculência policial, tráfico, estupros, roubos assaltos só aumentam; homicídios de jovens entre 14 e 25 anos, por exemplo, cresceram 326,1% nas últimas três décadas e presídios abertos neste ano em SP já estão superlotados.

Só sociedades embrutecidas aceitam polícia violenta. Gente atrasada só no outro vê defeito, não sabe conversar, não aceita o diferente, não pede desculpas, trapaceia, burla regras e se acha esperta por isso; não respeita e nem se preocupa com o bem estar do outro; fecha-se em sua casa fortaleza ou se refugia em seus condomínios murados como cidades da Idade Média e dane-se o mundo. Se não manda a inteligência, manda a força. Por isso, em nossa sociedade até briga de casal vira caso de polícia.

2 comentários

  1. lahoz em 06/12/2013 às 16:23

    Suiça, o país de população mais armada do mundo. Suiça um dos países menos violentos do mundo.
    Essas teorias que o articulista expôs estão equivocadas, são pura ideologia. Esquerdismo, nada mais que isto.

  2. Antonio Carlos Danelon em 12/12/2013 às 15:00

    Agradeço ter lido e comentado meu texto. Gosto do contraditório. Mas fiquei em dúvida. Até onde sei, arma serve para matar, seja na defesa ou no ataque. Você poderia aprofundar o debate. Afinal a Suíça é um dos menos violentos países do mundo porque é o mais armado, e um cidadão tem medo do outro; ou se para ser o menos violento precisou ser o mais armado? Se for um dos países menos violentos qual a necessidade de sua população se armar? Para diminuir a violência aqui, seria recomendável que a população brasileira se armasse? Afinal o tem em comum o povo suíço com o povo braileiro?
    Por outro lado, expus fatos, não teorias. Basta ler jornais ou se interessar pelos problemas do Brasil. Quanto à ideologia, cada um pode ter a sua ou só vale a oficial? Esquerdismo! Existe isso ainda? Direitismo também?

Deixe um comentário