Um paraíso ameaçado

picture (15)Lamentavelmente, houve vereador que saísse em defesa de mais essa tapa na cara de Piracicaba, que é a pretendida instalação de um novo presídio numa das mais belas e bucólicas regiões de nossa cidade. Mas ele tem direito à opinião, que merece ser respeitada mas que deve ser anotada e lembrada pela população. Pois opiniões contrárias ao povo têm que ser registradas para, no processo democrático, serem cobradas no momento oportuno, o do voto.

Os governos tucanos judiam de Piracicaba porque têm tido prefeitos mais interessados em defender os interesses do partido do que os do povo. Já recebemos, presente do atual prefeito, uma FEBEM; já tínhamos um presídio que se tornou palco de algumas rebeliões e que permite, em dias de visitas, o trânsito e o tráfico de não se sabe mais o quê. E, agora, um outro presente a Piracicaba, que se vai mostrando, aos olhos dos políticos, uma terra de ninguém, casa de mãe joana.

Temos publicado algumas fotos oportuníssimas de uma moradora da região, além de carta aberta lúcida e emocionante que a mesma cidadã consciente, Marie Christine Carrano, endereça ao Prefeito Municipal. Na verdade, Piracicaba, como um todo, quase não conhece aquela região paradisíaca. E Marie Christine, numa atitude feliz e louvável, mostra o tesouro ecológico que está em vias de ser destruído, também ameaçado por aquela rodovia.

Felizmente, um outro vereador, José Fernandes Paiva, tomou a iniciativa de mobilizar a opinião pública apesar da tímida e quase envergonhada defesa do presídio feita pelo prefeito Barjas Negri, que se tornou uma pessoa completamente contrária à sua antiga história estudantil, de combatente de boas causas. As fotos de Marie Christine são um libelo por si mesmas. Elas falam mais do que milhares de palavras. E mostram um paraíso ameaçado, um lugar edênico que poderá se transformar naquilo que o Ministro da Justiça definiu como “fábrica de criminosos”. O governador José Serra – que parece obsedado com a construção de cadeias e com a formação de batalhões de caçadores de fumantes – precisaria saber que os seus dois mais generosos atendentes, prefeito Barjas Negri e deputado Roberto Moraes, não representam a opinião de Piracicaba. O servilismo deles nada tem a ver com a sempre heróica luta dos piracicabanos em defesa de nossos valores e tradições, inclusive ou especialmente culturais.

O que faz a ONG “Piracicaba 2010” – nascida para defender uma Piracicaba com alta qualidade de vida, com desenvolvimento sustentável – diante dessa afronta, não podemos dizer. Mas é um silêncio, pelo que sabemos, comprometedor, bem como o das demais entidades que têm voz ativa e que nasceram para defender os interesses da comunidade. A transformação daquele paraíso numa “fábrica de criminosos” é um acinte imperdoável, que permite considerar cada um dos que pretender perpetrar tal crime “persona non grata”. Bom dia.

Deixe um comentário