Propaganda de coisa “obrada”.

Barjas Negri, antes de mais nada, é um excelente marqueteiro. Foi assim, na verdade, que ele começou sua longa trajetória política: como marqueteiro de João Herrmann Neto, na condição de secretário municipal de comunicação. O homem é competente também nisso. Aliás, ninguém nunca duvidou da competência de Barjas Negri para tantas e tantas coisas. E nunca é demais lembrar que o Brasil sempre teve homens competentes nos mais diversos níveis do governo: alguém duvida, por exemplo, da competência de Paulo Maluf? E quem, como Adhemar de Barros, mais fez em volume de obras naquele Estado de São Paulo tão carente das décadas de 1940/50. Adhemar e Paulo Maluf fizeram. Barjas também faz. Quanto a questões éticas, essas parecem ser um departamento de tal forma esquecido por alguns setores da sociedade e da imprensa que, delas, apenas se lembram para falar de escândalos do anterior governo de Lula. E os sanguessugas, como ficam?

A poluição visual em Piracicaba já se tornou insuportável, verdadeira terra de ninguém. E a Prefeitura não tem condições morais sequer de intentar uma legislação como, por exemplo, a criada por José Serra, quando prefeito de São Paulo, impedindo o uso do bem público para poluição visual, disciplinando cartazes, outdoors, placas, etc. Em Piracicaba, a Prefeitura está entre as principais poluidoras visuais da cidade. Com placas que poderiam provocar, houvesse algum Promotor de Justiça mais atento, processos por propaganda enganosa, por uso indevido do bem público, por aí.

Na administração de Barjas – “o homem que faz, mas…” – tornou-se necessário redefinir-se o que seja obra, o que seja remendo, o que seja conserto. Se tudo for obra – também no sentido de “obrá”, no dialeto caipiracicabano (clique aqui para lembrar) – então é compreensível que até a capinação de um terreno seja obra municipal. Já pensou se uma empregada doméstica colocasse um aviso em cada ação de seu cotidiano para a patroa ver? A casa ficaria poluída: “Limpeza da sala, Obra 1”; “Lavagem do Banheiro, Obra 2”. É o que se vê na nossa heróica e muy gloriosa cidade de Piracicaba.

Só que a poluição vai mais longe, pois já se viu que o povo está anestesiado, talvez acovardado, sabe-se lá. E, agora, se anuncia até a obra concluída. Anuncia-se que se irá fazer, anuncia-se que foi feito. Barjas Negri gosta mesmo de “obrá” .

Deixe um comentário